Friedrich Hölderlin – As Parcas

Republicação: “As parcas”, um poema de Friedrich Hölderlin

singularidade - poesia e etc.

Dai-me, Potestades, mais um verão apenas,
Apenas um outono de maduro canto,
Que de bom grado, o coração já farto
Do suave jogo, morrerei então.

A alma que em vida nunca desfrutou os seus
Direitos divinos nem no Orco acha repouso;
Mas se eu lograr o que é sagrado, o que
Trago em meu coração, a Poesia,

Serás bem-vinda então, paz do mundo das sombras!
Contente ficarei, mesmo que a minha lira
Não leve comigo; uma vez, ao menos,
Vivi como os deuses, e é quanto basta.

Trad.: José Paulo Paes

Ver o post original

Friedrich Hölderlin – A Brevidade

Republicação: “A brevidade”, um poema de Friedrich Hölderlin

singularidade - poesia e etc.

“Por que és tão breve? Não amas mais, como outrora,
O canto? Quando jovem, não chegavas,
Nos dias de esperança,
Nunca ao fim, quando cantavas!”

Tal qual minha sorte é meu canto. – Queres ao arrebol
Banhar-te alegremente? Foi-se! E a terra está fria
E o pássaro da noite esvoaça
incomodamente aos olhos teus.

Trad. Antonio Cícero (?)

Ver o post original

Friedrich Hölderlin – Outrora e Agora

Republicação: “Outrora e Agora”, um poema de Friedrich Hölderlin

singularidade - poesia e etc.

De manhã era feliz, quando jovem,
E à noite chorava; já hoje, mais velho,
Começo meu dia em dúvida, porém
Seu fim é para mim sagrado e sereno.

Trad.: Antonio Cicero

Ehmals und jetzt

In jüngern Tagen war ich des Morgens froh,
Des Abends weint’ich; jetzt, da ich älter bin,
Beginn ich zweifelnd meinen Tag, doch
Heilig und heiter ist mir sein Ende.

Ver o post original

Jorge de Sena – Carta a meus filhos sobre o fuzilamento de Goya

Não sei, meus filhos, que mundo será o vosso. É possível, porque tudo é possível, que ele seja aquele que eu desejo para vós. Um simples mundo, onde tudo tenha apenas a dificuldade que advém de nada haver que não seja simples e natural. Um mundo em que tudo seja permitido, conforme o vosso gosto, … Continue lendo Jorge de Sena – Carta a meus filhos sobre o fuzilamento de Goya

Robinson Jeffers – The Inhumanist (Parte II de “The Double Axe”) (excerto)

Republicação: “The Inhumanist (Parte II de “The Double Axe”)”, excerto de um poema de Robinson Jeffers

singularidade - poesia e etc.

Chegará um tempo, sem dúvida,
Em que também o sol morrerá; os planetas congelarão
e o ar sobre eles; gases congelados, com flocos de ar
Serão a poeira: que nenhum vento jamais bulirá:
essa poeira mesma a cintilar à luz baixa dos astros
É o vento morto, o corpo branco do vento.

Também a galáxia morrerá; o brilho da Via Láctea,
nosso universo, todos os astros que têm nomes estão mortos.
Vasta é a noite. Cresceste tanto, querida noite,
andando por teus salões vazios, tão alta!

Ver o post original