Marianne Moore – Uma água-viva

Visível, invisível, uma flutuante sedução que uma ametista cor de âmbar habita, se aproximam seus tentáculos, abrem e fecham; você pretendia pega-los e eles tremem; você abandona este intento. Trad.: Nelson Santander A Jelly-Fish Visible, invisible, a fluctuating charm an amber-tinctured amethyst inhabits it, your arm approaches and it opens and it closes; you had … Continue lendo Marianne Moore – Uma água-viva

Marianne Moore – Poesia

Eu também não gosto dela: há coisas mais importantes para além   de toda esta farsa.  Lendo-a, contudo, com absoluto desprezo,   descobre-se  nela, no fim das contas, um lugar para o autêntico.   Mãos que podem agarrar, olhos   que podem dilatar-se, pelos que podem eriçar-    se necessário, essas coisas são importantes não porque uma grandiloquente interpretação pode … Continue lendo Marianne Moore – Poesia