Joan Margarit – A Espera

Tantas coisas estão sentindo tua falta. Assim preenchem-se os dias, instantes feitos de esperar por tuas mãos, de sentir falta de tuas pequenas mãos, que pegaram nas minhas tantas vezes. Temos de nos acostumar com tua ausência. Um verão já passou sem teus olhos e o mar também haverá de acostumar-se. Tua rua, ainda por … Continue lendo Joan Margarit – A Espera

Paulus Silentiarius – da “Antologia Grega”

Zeus, em chuva de ouro, atravessou o bronze que guardava Danae e roubou-lhe a virgindade. Moral da história: o ouro tudo domina - paredes e grilhetas de bronze, fechaduras e peias. Foi o ouro que subjugou Danae. Não é necessário rezar a Afrodite; só é preciso dinheiro. Versão: José Alberto Oliveira

Lucilius – da “Antologia Grega”

Eutychides, o poeta lírico, morreu. Fugi, ó moradores do Hades! - ele transporta odes e ordenou que consigo queimassem vinte liras e vinte e cinco pautas de música, que Caronte terá de transportar. Onde se poderá encontrar refúgio, agora que Eutychides canta pela eternidade? Versão: José Alberto Oliveira

Anônimo – da “Antologia Grega”

Não esbanjem comigo o odor da mirra, nem ofereçam coroas de flores, nem acendam a pira funerária, tudo isso é desperdício; ofereçam-me presentes, se quiserem, enquanto estiver vivo - mas espalhar cinzas no vinho torná-lo-á lama e dele não beberão os mortos. Versão: José Alberto Oliveira

Automedon – da “Antologia Grega”

Mandaste chamá-la, disseste para vir, preparaste tudo. Mas, se vier, o que farás? Repara no que se passa contigo, Automedon. Esse canalha, que era alegre e firme, está agora flácido, como cenoura cozida, morto e encolhido entre as pernas. Como irão rir se te puseres a navegar de mãos vazias, um remador que perdeu o … Continue lendo Automedon – da “Antologia Grega”

Marcus Argentarius – da “Antologia Grega”

Psyllas jaz aqui. A sua ocupação proxeneta; mantinha um bando de raparigas e alugava-as para festas. Um negócio pouco simpático, ganhar dinheiro com carne humana e fraca. Mas poupem o seu túmulo, não atirem pedras, agora que está morto e enterrado. Lembrem-se disto: os serviços que prestou convenceram os rapazes a deixarem as nossas mulheres … Continue lendo Marcus Argentarius – da “Antologia Grega”

Platão – da “Antologia Grega”

Eu, Lais, que escarneci dos gregos e enxame de amantes retive à porta, ofereço a Afrodite o meu espelho. Não olharei para esta cara e não consigo ver a anterior. Versão: José Alberto Oliveira

Eunice de Souza – Alvorada 2

Falamos através de continentes. É pouco provável que nos voltemos a encontrar. Não posso fumar, não posso viajar, nenhuma felicidade claro. Sentindo um vento frio nas costas renunciamos à filosofia. Acabaram os amantes errantes, maridos, passarões não propriamente sensatos. Ainda temos a idade com que nos conhecemos. Trad.: Francisco José Craveiro de Carvalho