José Emílio Pacheco – Crianças e adultos

Aos dez anos achava que o mundo era dos adultos. Podiam fazer amor, fumar, beber à vontade, ir aonde quisessem. Sobretudo, esmagar-nos com seu poder indomável. Agora sei, por vasta experiência, o lugar comum: em verdade, não há adultos, só crianças envelhecidas. Querem o que não têm: o brinquedo do outro. Sentem medo de tudo. … Continue lendo José Emílio Pacheco – Crianças e adultos