Richard Eberhart – A marmota

Em junho, entre os campos dourados, Avistei uma marmota morta. Morta ela estava; meu juízo se abalou, E a mente projetou a nossa fragilidade nua. Lá embaixo, no vigoroso verão, Sua forma começou a absurda mutação, E fez oscilar meus sentidos para o sombrio Vendo a natureza feroz que nela havia. Inspecionando de perto o … Continue lendo Richard Eberhart – A marmota

Merrit Malloy – Epitáfio

Quando eu morrerDá o que restar de mimàs criançasE aos idosos que esperam para morrer. E se precisares chorar,Chora por teu irmãoQue anda pelas ruas a teu lado.E quando precisares de mim,Coloca teus braçosEm volta de alguémE dá-lhe o que precisas me dar. Quero deixar-te algo,Algo melhorDo que palavrasOu sons. Busca-meNas pessoas que conheciOu amei,E … Continue lendo Merrit Malloy – Epitáfio

Juan Vicente Piqueras – Restaurante, desde 1882

Ristorante dal 1882- leio no cardápio e me ponho a pensar que em uma noite, há mais de um século, uma noite igual a esta, houve um grupo de amigos que aqui jantaram, como nós agora, e riram, conversaram, passaram o sal, mais ou menos felizes, fugazes, satisfeitos por estarem juntos rindo como nós agora, … Continue lendo Juan Vicente Piqueras – Restaurante, desde 1882

Jorge Valdés Díaz-Vélez – S.T.T.R. Sit Tibi Terra Levis

Hoje recordo os mortos de minha casa Octavio Paz De todos os nossos mortos jamais nos esqueceremos do primeiro. O meu habita a raiz do outono, sob os álamos. Sua lembrança me oferece um arbusto, ao tempo em que se inclina com os braços abertos de outros dias. Lembro-me de sua estatura nas sombras a … Continue lendo Jorge Valdés Díaz-Vélez – S.T.T.R. Sit Tibi Terra Levis

Rodrigo da Silva – Chegará um dia em que o seu coração parará de bater

Chegará um dia em que o seu coração parará de bater. A sua pupila dilatará. A sua pele ficará pálida e a sua temperatura corporal esfriará. Você ficará inteiramente esquálido; e então roxo. O seu sangue se tornará mais ácido com o acúmulo de dióxido de carbono. E as suas células começarão a se dividir, … Continue lendo Rodrigo da Silva – Chegará um dia em que o seu coração parará de bater

Ferreira Gullar – Morrer no Rio de Janeiro

Se for março   quando o verão esmerila a grossa luz   nas montanhas do Rio teu coração estará funcionando normalmente entre tantas outras coisas que pulsam na manhã   ainda que possam de repente enguiçar. Se for março e de manhã   as brisas cheirando a maresia quando uma lancha deixa seu rastro de espumas no dorso da … Continue lendo Ferreira Gullar – Morrer no Rio de Janeiro

Braulio Tavares – [para mim tanto faz]

para mim tanto fazestar alegre ou tristeeu preciso é que o tempo voe,que o tempo vivaa gente só lembraque o segundo existequando vê um relógioem contagem regressiva

Philip Roth – Patrimônio (excerto)

"Quando se visita uma sepultura, todo mundo tem pensamentos mais ou menos iguais, que, abstraída a questão da eloquência, não diferem muito daqueles que Hamlet expressou ao contemplar o crânio de Yorick. Há muito pouco para se pensar ou dizer que não seja uma variante de “Ele me carregou nos ombros mil vezes”. Num cemitério, … Continue lendo Philip Roth – Patrimônio (excerto)