Natalie Diaz – Meu irmão às 3 da manhã

Ele se sentou de pernas cruzadas, chorando nos degraus,
quando mamãe destrancou e abriu a porta da frente.
        Meu Deus, ele disse. Meu Deus.
                Ele quer me matar, mamãe.

Quando mamãe destrancou e abriu a porta da frente,
às 3 da manhã, ela estava de camisola, e papai dormia.
        Ele quer me matar, ele disse,
                olhando por cima do ombro.

Às 3 da manhã e de camisola, e papai dormia,
O que está acontecendo? ela perguntou. Quem quer te matar?
        Ele olhou por cima do ombro.
                O diabo. Olhe para ele, ali.

Ela perguntou, O que você usou? Quem quer te matar?
O céu não era preto nem azul, mas o verde de uma noite moribunda.
        O diabo, olhe para ele, ali.
                Ele apontou para a casa da esquina.

O céu não era preto nem azul, mas o verde moribundo da noite.
As estrelas haviam fechado seus olhos ou embainhado suas facas.
        Meu irmão apontou para a casa da esquina.
                Seus lábios feridos tremiam.

As estrelas haviam fechado seus olhos ou embainhado suas facas.
Meu Deus, eu posso ver o rabo, ele disse. Meu Deus, veja.
        Mamãe estremeceu ao ver as feridas nos lábios dele.
                Está saindo de trás da casa.

Meu Deus, veja o rabo, ele disse. Veja o maldito rabo.
Ele se sentou de pernas cruzadas, chorando nos degraus da frente.
        Mamãe finalmente viu, uma visão infernal, meu irmão.
                Meu Deus, meu Deus, ela disse.

Trad.: Nelson Santander

My Brother at 3 A.M.

He sat cross-legged, weeping on the steps
when Mom unlocked and opened the front door.
        O God, he said. O God.
                He wants to kill me, Mom.

When Mom unlocked and opened the front door
at 3 a.m., she was in her nightgown, Dad was asleep.
        He wants to kill me, he told her,
                looking over his shoulder.

3 a.m. and in her nightgown, Dad asleep,
What’s going on? she asked. Who wants to kill you?
        He looked over his shoulder.
                The devil does. Look at him, over there.

She asked, What are you on? Who wants to kill you?
The sky wasn’t black or blue but the green of a dying night.
        The devil, look at him, over there.
                He pointed to the corner house.

The sky wasn’t black or blue but the dying green of night.
Stars had closed their eyes or sheathed their knives.
        My brother pointed to the corner house.
                His lips flickered with sores.

Stars had closed their eyes or sheathed their knives.
O God, I can see the tail, he said. O God, look.
        Mom winced at the sores on his lips.
                It’s sticking out from behind the house.

O God, see the tail, he said. Look at the goddamned tail.
He sat cross-legged, weeping on the front steps.
        Mom finally saw it, a hellish vision, my brother.
                O God,O God, she said.