Anna Akhmátova – Último Brinde

Bebo ao lar em pedaços, À minha vida feroz, À solidão dos abraços E a ti, num brinde, ergo a voz… Ao lábio que me traiu, Aos mortos que nada veem, Ao mundo, estúpido e vil, A Deus, por não salvar ninguém. Trad.: Rubens Figueiredo Последний тост Я пью за разоренный дом, За злую жизнь … Continue lendo Anna Akhmátova – Último Brinde

Marina Tsvetáieva – Um poema em duas traduções

Tentativa de ciúme - Trad.: Augusto de Campos Como vai você com a outra? Fácil, não é? — Um golpe de remo! — E de pronto a linha da costa Se foi e você já nem se lembra De mim, ilha flutuante (No céu, por certo, não no mar)! Almas! Almas! — antes amar Como … Continue lendo Marina Tsvetáieva – Um poema em duas traduções

Ósip Mandelstam – Pedra (excerto)

Não posso tocar, no escuro, Teu vulto vago e sombrio. “Senhor!”, por erro, murmuro, Alheio ao que balbucio. De mim, tal uma ave enorme, O nome de Deus se evola. À frente, um abismo informe, Atrás, vazia, a gaiola. Trad.: Augusto de Campos

Vladimir Maiakovski – O Amor

Um dia, quem sabe, ela, que também gostava de bichos, apareça numa alameda do zôo, sorridente, tal como agora está no retrato sobre a mesa. Ela é tão bela, que, por certo, hão de ressuscitá-la. Vosso Trigésimo Século ultrapassará o exame de mil nadas, que dilaceravam o coração. Então, de todo amor não terminado seremos … Continue lendo Vladimir Maiakovski – O Amor