W. S. Merwin – Juventude

Durante toda a juventude estive procurando por você
sem saber o que eu procurava

ou de como chama-la acho que eu nem
mesmo sabia o que estava procurando como

poderia reconhece-la quando a visse como fiz
vezes sem conta quando você apareceu para mim

como apareceu nua oferecendo-se
inteiramente naquele momento e deixou-

me respira-la toca-la prova-la sabendo
não mais do que eu sabia e somente quando

comecei a pensar em perde-la é que eu a
reconheci quando você já era

parte lembrança parte a distância que resta
minha nas maneiras em que aprendi a sentir sua falta

do que não conseguimos reter as estrelas são feitas

Trad.: Nelson Santander

Youth

Through all of youth I was looking for you
without knowing what I was looking for

or what to call you I think I did not
even know I was looking how would I

have known you when I saw you as I did
time after time when you appeared to me

as you did naked offering yourself
entirely at that moment and you let

me breathe you touch you taste you knowing
no more than I did and only when I

began to think of losing you did I
recognize you when you were already

part memory part distance remaining
mine in the ways that I learn to miss you

from what we cannot hold the stars are made

W. S. Merwin – Ao Ano Novo

Com que calma você
finalmente aparece no vale,
sua primeira luz solar descendo
para apalpar as pontas de algumas
folhas altas que não se mexem
como se não o tivessem notado
e não o conhecessem direito
em seguida a voz isolada de uma pomba
chama de muito longe
para a quietude da manhã

então é assim que você soa
aqui e agora haja ou não
alguém ouvindo é aqui
que chegamos com nossa experiência
nosso conhecimento tal como ele é
e nossas esperanças tal como elas são
invisíveis perante nós
intocadas e ainda possíveis

Trad.: Nelson Santander

To the New Year

With what stillness at last
you appear in the valley
your first sunlight reaching down
to touch the tips of a few
high leaves that do not stir
as though they had not noticed
and did not know you at all
then the voice of a dove calls
from far away in itself
to the hush of the morning

so this is the sound of you
here and now whether or not
anyone hears it this is
where we have come with our age
our knowledge such as it is
and our hopes such as they are
invisible before us
untouched and still possible

W. S. Merwin – A estrada

Parece enorme demais para apenas um homem
Percorre-la. Como se ela e o dia vazio
Fossem tudo o que há. E um cachorrinho
Trotando em sincronia com as ondas de calor, perto
Do horizonte, parecendo nunca avançar para
Mais longe. O sol e todas as coisas
Estão empoçados nos mesmos lugares, e a vala
É a mesma de sempre, cheia de todo tipo de
Osso, enquanto o ar vazio continua a zumbir
Aquele som que memorizou das coisas que por ali
Passaram. E as placas com cabeças enormes e corpos
Famintos, ensaiando passos de dança no calor,
E as outras, grandes como casas, todas prometem,
Mas com nada dentro, apenas uma parede,
E contam de outros lugares onde você pode comer,
Beber, tomar um banho, mentir em uma cama
Ouvindo música, e estar seguro. Se você
Olhar em volta verá que, em sentido contrário,
voltando, é exatamente igual; e mais distante
Agora de onde você veio, provavelmente,
Do que dos lugares que você poderia alcançar prosseguindo.

Trad.: Nelson Santander

The Highway

It seems too enormous just for a man to be
Walking on. As if it and the empty day
Were all there is. And a little dog
Trotting in time with the heat waves, off
Near the horizon, seeming never to get
Any farther. The sun and everything
Are stuck in the same places, and the ditch
Is the same all the time, full of every kind
Of bone, while the empty air keeps humming
That sound it has memorized of things going
Past. And the signs with huge heads and starved
Bodies, doing dances in the heat,
And the others big as houses, all promise
But with nothing inside and only one wall,
Tell of other places where you can eat,
Drink, get a bath, lie on a bed
Listening to music, and be safe. If you
Look around you see it is just the same
The other way, going back; and farther
Now to where you came from, probably,
Than to places you can reach by going on.