William Blake – A mosca

Pequena Mosca,
Teus jogos de estio
Minha irrefletida
Mão os destruiu.

Pois como tu,
Mosca não sou eu?
E não és tu
Homem como eu?

Eu canto e danço e
Bebo, até que vem
Mão cega arrancar-me
As asas também.

Se é o pensamento
Vida, sopro forte,
E a ausência do
Pensamento morte,

Então eu sou
Uma mosca travessa,
Mesmo que viva
Ou que pereça.

Trad.: José Paulo Paes

The Fly

Little fly,
Thy summer’s play
My thoughtless hand
Has brushed away.

Am not I
A fly like thee?
Or art not thou
A man like me?

For I dance
And drink and sing,
Till some blind hand
Shall brush my wing.

If thought is life
And strength and breath,
And the want
Of thought is death,

Then am I
A happy fly,
If I live,
Or if I die.

Antonio Carlos Secchin – [Não, não era ainda a era da passagem]

Não, não era ainda a era da passagem
 do nada ao nada, e do nada ao seu restante.
 Viver era tanger o instante, era linguagem
 de se inventar o visível, e era bastante.
 Falar é tatear o nome do que se afasta.
 Além da terra, há só o sonho de perdê-la.
 Além do céu, o mesmo céu, que se alastra
 num arquipélago de escuro e de estrela.

Linda Pastan – Chove sobre a casa de Anne Frank

Chove sobre a casa
de Anne Frank
e sobre os turistas
amontoados sob a sombra
de seus guarda-chuvas,
sobre os perfeitamente silenciosos
turistas que prefeririam estar
em outro lugar
mas que aqui esperam em escadas
tão íngremes pelas quais eles devem subir
para alguma ocasião
no alto do sótão vazio,
no banheiro pitoresco,
no esqueleto
de uma cozinha
ou no mapa —
cada uma de suas setas
uma farpa de arame —
com todas as datas, as expulsões,
os contornos proibidos
dos continentes.
E em Amsterdam chove
sobre o Van Gogh Museum
onde nos apressaremos
para ver como alguém mais
foi capaz de encontrar o puro
centro de luz
dentro do círculo sombrio
de seus demônios.

Trad.: Nelson Santander

It is raining on the house of Anne Frank

It is raining on the house
of Anne Frank
and on the tourists
herded together under the shadow
of their umbrellas,
on the perfectly silent
tourists who would rather be
somewhere else
but who wait here on stairs
so steep they must rise
to some occasion
high in the empty loft,
in the quaint toilet,
in the skeleton
of a kitchen
or on the map—
each of its arrows
a barb of wire—
with all the dates, the expulsions,
the forbidding shapes
of continents.
And across Amsterdam it is raining
on the Van Gogh Museum
where we will hurry next
to see how someone else
could find the pure
center of light
within the dark circle
of his demons.

Robert Morgan – Outono branco

Ela sempre gostou de ler, inclusive
na infância, durante a Guerra da Secessão,
e depois desenvolveu o hábito de ficar acordada
junto ao lampião perto da lareira depois que,
concluída a faxina, o marido e os filhos iam dormir.
Ela alimentou o vício nos anos duros
da Reconstrução e mesmo depois que
o seu marido morreu e ela foi forçada
a prover e a ser a única encarregada do lugar.
Enquanto seu filho único lutava na França,
foi esta segunda vida, diante da janela aberta
nos meses quentes, quando os pinheiros nas colinas
pareciam conversar com o córrego, e as esperanças
harmonizavam seus hinos nas árvores além do celeiro,
ou diante do familiar fogo no inverno,
que a susteve. Mais tarde, ela e as filhas
esqueceram a hora e o dia exato,
se é que houve um dia assim, em que ela tomou a decisão.
Mas depois que as crianças puderam cozinhar
e jardinar e ordenhar e levar um pouco
de limpeza pra os ricos de Flat Rock,
e o filho retornou do exterior
ferido, mas ainda capaz e se casou com uma viúva de guerra,
e quando ela encontrou a cadeira certa,
uma cadeira de balanço montada por um homem para além de Willow,
de nogueira polida, com assento e encosto de vime,
e braços largos o suficiente para apoiar sua eterna xícara
de café, ou um livro pesado,
ela soube que havia chegado em casa e que nela ficaria.
E a partir daquele dia, se foi um momento e não
um reconhecimento gradual, ela nunca mais cruzou uma soleira
ou se aventurou para além daquele lugar especial de retidão,
presença e prazer, exceto para ser levada para a cama
algumas horas antes do amanhecer para uma pequena soneca.
Aquela cadeira – todo natal alguém lhe dava uma almofada
brilhante para amaciar – era o lugar em que ela se banhava
em um aconchegante rio de livros e de café preto,
e variedades de doces e bolos guardados em um armário baixo
próximo. Os gatos passavam pelo seu colo e pernas
e pela travessa de reforço de sua cadeira. As toneladas
de lenhas chegaram geladas e se foram como luz, fumaça, cinzas.
Ela cavalgava aquele berço vertical para dormir
e por muitas longas visitas com camadas de família,
beijando os bebês como diferentes tipos de frutas.
Sempre escondendo o cachimbo de barro em seu armário
quando aparecia visita. Ela presidiu decisões
para manter a terra e recusou o próprio bem-estar.
Naquele trono rangente, ela governou um minúsculo reino
em meio à guerra e morte de parentes. Até a noite em que ela
parou de respirar, perto dos cem, ninguém soube
exatamente quando, mas encontraram a lâmpada ainda acesa,
o romance aberto para um novo capítulo,
e o sol apenas brilhando em seu cotovelo.

Trad.: Nelson Santander

White Autumn

She had always loved to read, even
in childhood during the Confederate War,
and built the habit later of staying up
by the oil lamp near the fireplace after
husband and children slept, the scrub-work done.
She fed the addiction in the hard years
of Reconstruction and even after
her husband died and she was forced
to provide and be sole foreman of the place.
While her only son fought in France
it was this second life, by the open window
in warm months when the pines on the hill
seemed to talk to the creek, or katydids
lined-out their hymns in the trees beyond the barn,
or by the familiar of fire in winter,
that sustained her. She and her daughters
later forgot the time, the exact date,
if there was such a day, when she made her decision.
But after the children could cook
and garden and milk and bring in a little
by housecleaning for the rich in Flat Rock,
and the son returned from overseas
wounded but still able and married a war widow,
and when she had found just the right chair,
a rocker joined by a man over on Willow
from rubbed hickory, with cane seat and back,
and arms wide enough to rest her everlasting cup
of coffee on, or a heavy book,
she knew she had come to her place and would stay.
And from that day, if it was one time and not
a gradual recognition, she never crossed a threshold
or ventured from that special seat of rightness,
of presence and pleasure, except to be helped to bed
in the hours before dawn for a little nap.
That chair-every Christmas someone gave her a bright
cushion to break in-was the site on which she bathed
in a warm river of books and black coffee,
varieties of candy and cakes kept in a low cupboard
at hand. The cats passed through her lap and legs
and through the rungs of her seat. The tons
of firewood came in cold and left as light, smoke, ash.
She rode that upright cradle to sleep
and through many long visits with tiers of family,
kissing the babies like different kinds of fruit.
Always hiding the clay pipe in her cabinet
when company appeared. She chaired decisions
to keep the land and refused welfare.
On that creaking throne she ruled a tiny kingdom
through war, death of kin. Even on the night she did
stop breathing, near a hundred, no one knew
exactly when, but found the lamp still on,
the romance open to a new chapter,
and the sun just appearing at her elbow.

Mary Oliver – Quando estou entre as árvores

Quando estou entre as árvores,
especialmente entre os salgueiros e os espinheiros-da-virgínia,
mas também entre as faias, os carvalhos e os pinheiros,
elas emitem tantos sinais de alegria.
Eu quase diria que elas me salvam, e diariamente.
Estou tão distante de minhas expectativas sobre mim mesma,
nas quais eu reúno bondade, e discernimento,
e nunca me apresso no mundo,
mas caminho lentamente, e com frequência me curvo.
À minha volta, as árvores agitam suas folhas
e bradam: “Fique mais um pouco.”
A luz flui de seus ramos.
E elas convidam novamente: “É simples,” elas dizem,
“e você também veio
ao mundo para isso, para ir devagar, para ser preenchida
com luz, e para brilhar.”

Trad.: Nelson Santander

Conheça outros livros de Mary Oliver clicando aqui

When I am among the trees

When I am among the trees,
especially the willows and the honey locust,
equally the beech, the oaks and the pines,
they give off such hints of gladness.
I would almost say that they save me, and daily.
I am so distant from the hope of myself,
in which I have goodness, and discernment,
and never hurry through the world
but walk slowly, and bow often.
Around me the trees stir in their leaves
and call out, “Stay awhile.”
The light flows from their branches.
And they call again, “It’s simple,” they say,
“and you too have come
into the world to do this, to go easy, to be filled
with light, and to shine.”

Jorge Valdés Díaz-Vélez – Formas migratórias

Formas Migratórias

para Katia Alemann

Aprendemos a amar a conta-gotas
essas pequenas pausas de que se veste
o temporal para inundar a solidão
do lado de fora, o ramo entre violeta
e ocre das tardes, o murmúrio
semântico do céu. Nesta ordem,
temos esmaecido a distância,
a longitude sem proporção, as linhas
que se relacionam com as coisas. Curtas
lacunas de ar, esses segundos quebram
o ambíguo conceito de equilíbrio
que na água subjaz e se sustenta
como outra voz dentro do fogo.
Quando clareia e a tarde se harmoniza
em sua límpida explosão em camadas,
aprendemos os mínimos rumores
de onde irrompem cinzas desmemórias.
Com eles, construímos este quarto
saturado de música e de vítreos
aromas de jasmim ou desconhecidos.
Conceitos e raízes que se aglomeram
e edificam uma oval sonora,
um ponto de chegada, outro pretexto
condenado a apalpar nossa garganta
para ouvir-nos dizer: amo esta chuva
quando ela cessa e podemos ouvi-la
abrigar um país debaixo da terra.

Trad.: Nelson Santander

Formas migratorias

para Katia Alemann

Aprendimos a amar a cuentagotas
esas pequeñas pausas que el chubasco
viste para inundar puertas afuera
la soledad, la rama entre violeta
y ocre de las tardes, el murmullo
semántico del cielo. En este orden
hemos desdibujado la distancia,
la longitud sin proporción, las líneas
que relacionan a las cosas. Breves
lagunas de aire, esos segundos quiebran
el ambiguo concepto de equilibrio
que en el agua subyace y se sostiene
al igual que otra voz dentro del fuego.
Cuando escampa y la tarde se armoniza
en su limpia explosión de veladuras,
aprendemos los mínimos rumores
donde irrumpen cenizas desmemorias.
Con ellos construimos este cuarto
que está lleno de música y de vítreos
aromas de jazmín o extranjería.
Nociones y raigambres que se agolpan
y edifican un óvalo sonoro,
un punto de llegada, otro pretexto
condenado a palpar nuestra garganta
para oírnos decir: amo esta lluvia
cuando cesa y podemos escucharla
recoger un país bajo la tierra.

Leonard Nathan – Brinde

Houve uma mulher em Ithaca
que chorou baixinho a noite toda
no quarto ao lado e desamparado
me apaixonei por ela sob o manto
de neve que se depositou em todos os telhados
da cidade, preenchendo
cada escura depressão.

Na manhã seguinte
no café do motel
estudei todas as mulheres de rostos
maquiados. Teria sido a loira de meia idade
que brincou com a garçonete
ou a jovem morena que levantava
sua xícara como em um brinde?

Amor, seja você quem for,
sua coragem foi minha companheira
em muitas cidades frias
após a traição em Ithaca,
e quando peço um café
em um lugar estranho, ainda
digo, levantando, isto é pra você.

Trad.: Nelson Santander

Toast

There was a woman in Ithaca
who cried softly all night
in the next room and helpless
I fell in love with her under the blanket
of snow that settled on all the roofs
of the town, filling up
every dark depression.

Next morning
in the motel coffee shop
I studied all the made-up faces
of women.  Was it the middle-aged blonde
who kidded the waitress
or the young brunette lifting
her cup like a toast?

Love, whoever you are,
your courage was my companion
for many cold towns
after the betrayal of Ithaca,
and when I order coffee
in a strange place, still
I say, lifting, this is for you.

James Kirkup – Ursa Maior

Suspensa entre os álamos domesticados no fim
da avenida familiar, a Ursa
Maior, em sua rede iluminada, balança,
como um portão abandonado que nem barra nem convida para entrar,
e pendura no poste arqueado sua silhueta de sete pontas.

Desenhada com a precisão de um problema desconhecido
solucionado na sala de aula mais alta do céu vazio,
ela revela sobre o quadro negro escuro da finitude
incomensurável da noite o ponto focal de luz.
Pois embora as agulhas pareçam indicar o polo,
cada estrela olha através de nós para o espaço sideral
de onde o sol que queima atrás e além de nós
anima imediatamente cada estéril face cristalina
com brilho devastado, sobre o qual nossos olhos
devem debruçar-se no tempo para captar, e morrer ao vê-lo.

Trad.: Nelson Santander

Ursa Major

Slung between the homely poplars at the end
of the familiar avenue, the Great
Bear in its lighted hammock swings,
like a neglected gate that neither bars admission nor invites,
hangs on the sagging pole its seven-pointed shape.

Drawn with the precision of an unknown problem
solved in the topmost classroom of the empty sky,
it demonstrates upon the inky blackboard of the night’s
immeasurable finity the focal point of light.
For though the pointers seem to indicate the pole,
each star looks through us into outer space
from where the sun that burns behind and past us
animates immediately each barren, crystal face
with ravaged brilliance, that our eyes
must lean out into time to catch, and die in seeing.

Jorge Valdés Díaz-Vélez – A outra rosa

Ela beijou na rosa
(seu nome era um aguilhão
feminino e brutal)
a imagem de outra rosa

gravada em uma lousa
de mármore, cristalina.
A luz era mais fina
e, ao tato, tão airosa

quanto a flor que ardia
sem pausa em sua memória.
Em outro meio-dia,

a rosa era ilusória
promessa repartida;
e o beijo, a outra vida.

Trad.: Nelson Santander

La otra rosa

Ella besó en la rosa
(su nombre fue una espina
brutal y femenina)
la imagen de otra rosa

grabada en una losa
de mármol, cristalina.
La luz era más fina
y al tacto, tan hermosa

como la flor que ardía
sin pausa en su memoria.
En otro mediodía,

la rosa era ilusoria
promesa compartida;
y el beso, la otra vida.

Donald Hall – Últimos dias

“Era razoável
esperar.” Então ele escreveu. No dia seguinte,
em um consultório,
a hematologista de Jane, Letha Mills, sentou-se,
tensa, sua secretária
em pé, de costas para a porta.
“Trago péssimas notícias,”
disse Letha. “A leucemia voltou.
Não há nada a fazer.”
Os quatro choramos. Ele perguntou há quanto tempo,
por que isso aconteceu agora?
Jane perguntou apenas: “Posso morrer em casa?”

Em casa, naquela tarde,
eles jogaram os remédios dela no lixo.
Jane vomitou. Ele chorava
enquanto ela permanecia com os olhos secos – em silêncio,
tentando esquecer. À noite,
ele pegou o telefone para fazer
ligações que trouxeram
uma criança ou um amigo para o horror.

Na manhã seguinte,
eles trabalharam escolhendo entre seus poemas
para Otherwise, selecionaram o
hinário para o seu funeral, e trocaram
palavras enquanto escreviam
e revisavam seu obituário. No dia seguinte,
com mais coisas a fazer
em seu livro, ele percebeu o quão fraca ela se sentia,
e disse que talvez não agora; talvez
mais tarde. Jane balançou a cabeça: “Agora,” ela disse.
“Temos que termina-lo agora.”
Mais tarde, enquanto caía exausta no sono,
ela disse, “Não foi divertido?
Trabalharmos juntos? Não foi divertido?”

Ele lhe perguntou, “Com que roupa
devemos vesti-la, quando a enterrarmos?”
“Não tinha pensado nisso,” ela disse.
“Eu queria saber sobre aquele salwar kameez
branco,” ele disse –
a seda indiana favorita dela que haviam comprado
em Pondicherry um ano
e meio antes, que, mais tarde, ela usava para se sentir melhor
ou mais bonita.
Ela sorriu. “Sim. Excelente,” ela disse.
Ele não lhe contou
que um ano antes, sonhando acordado,
ele a tinha visto
no caixão em seu salwar kameez branco.

Contudo, ele não conseguia parar de
planejar. Naquela noite, ele explodiu:
“Quando Gus morrer, vou manda-lo
cremar e espalhar suas cinzas
sobre o seu túmulo!” Ela riu,
seus grandes olhos se acenderam e ela concordou:
“Vai ser bom
para os narcisos.” Ela jazia, pálida, sobre
o travesseiro florido:
“Perkins, de onde você tira essas ideias?”

Eles conversaram sobre suas
aventuras – dirigir pela Inglaterra
quando eles se casaram,
e as excursões à China e Índia.
Também se lembraram dos
dias normais – os verões no lago, trabalhando
juntos em poemas,
passeando com o cachorro, lendo Chekhov
em voz alta. Quando ele elogiou
os milhares de encontros vespertinos
que os levaram ao
êxtase e ao repouso nesta cama pintada,
Jane irrompeu em lágrimas
e gritou, “Nunca mais, porra. Nunca mais, porra!”

Incontinente nas três noites
antes de morrer, Jane precisou ser içada
para o vaso sanitário.
Ele a limpou e a ajudou a retornar para a cama.
Às cinco ele alimentou o cão
e voltou para encontra-la do outro lado do quarto,
sentada em uma poltrona reta.
Se ela não conseguia ficar em pé, como conseguiu caminhar até lá?
Ele temeu que ela caísse
e chamou uma ambulância para o hospital,
mas quando contou a Jane,
sua boca se contraiu e as lágrimas começaram.
“Temos que ir?” Ele cancelou.
Jane disse, “Perkins, esteja comigo quando eu morrer.”

“Morrer é simples,” ela disse.
“O que é pior é… a separação.”
Quando ela já não falava,
eles se deitavam juntos, tocando-se,
e ela fixava nele seus lindos,
enormes, redondos olhos castanhos,
brilhantes, sem piscar,
e apaixonados de amor e de pavor.

Um a um eles vieram,
os mais velhos e queridos, para dizer adeus
à amiga do coração.
No início, ela pronunciou seus nomes, chorou e se comoveu;
em seguida ela sorriu; depois
entortou um dos cantos da boca para cima. No último dia,
ela se despediu silenciosamente
com suas mãos retorcidas e os olhos bem abertos.

Saindo de seu lugar ao lado dela,
onde seus olhos estavam fixos, ele lhe disse:
“Vou colocar essas cartas
na caixa do correio.” Ela não tinha falado
por três horas, e então Jane disse
suas últimas palavras: “Tá bom.”

Às oito daquela noite,
seus olhos se abriram e assim permaneceram
até que ela morreu, a respiração do tronco encefálico
começou, ele se curvou para beijar
seus lábios frios e pálidos novamente, e os sentiu
uma última vez se juntando
e franzindo para beija-lo de volta.

Nas últimas horas, ela mantivera
os antebraços erguidos com os dedos pálidos cerrados
na altura da bochecha, como
a estatueta da deusa sobre a pia do banheiro.
Por vezes, seu punho direito sacudia
ou espasmava em direção ao rosto. Por doze horas,
até ela morrer, ele continuou
coçando o grande e ossudo nariz de Jane Kenyon.
Um cheiro forte, quase doce,
começou a subir de sua boca aberta.
Ele observou o peito dela ficar imóvel.
Com o polegar, ele fechou seus redondos olhos castanhos.

Trad.: Nelson Santander

N. do T.: Donald Hall escreveu este poema para sua esposa, a também poeta Jane Kenyon, com quem foi casado por muitos anos (de 1972 a 1995). Cerca de três anos antes de completar seu 50º aniversário, Kenyon foi diagnosticada com uma leucemia que, depois de uma breve remissão, voltou de forma devastadora e a matou, em 22/04/1995. Donald Hall morreu em 23/06/2018, aos 89 anos de idade. No blog você pode ler as traduções que fiz de alguns poemas dela: https://singularidadepoetica.art/category/jane-kenyon/

Last Days

“It was reasonable
to expect.” So he wrote. The next day,
in a consultation room,
Jane’s hematologist Letha Mills sat down,
stiff, her assistant
standing with her back to the door.
“I have terrible news,”
Letha told them. “The leukemia is back.
There’s nothing to do.”
The four of them wept. He asked how long,
why did it happen now?
Jane asked only: “Can I die at home?”

Home that afternoon,
they threw her medicines into the trash.
Jane vomited. He wailed
while she remained dry-eyed – silent,
trying to let go. At night
he picked up the telephone to make
calls that brought
a child or a friend into the horror.

The next morning,
they worked choosing among her poems
for Otherwise, picked
hymns for her funeral, and supplied each
other words as they wrote
and revised her obituary. The day after,
with more work to do
on her book, he saw how weak she felt,
and said maybe not now; maybe
later. Jane shook her head: “Now,” she said.
“We have to finish it now.”
Later, as she slid exhausted into sleep,
she said, “Wasn’t that fun?
To work together? Wasn’t that fun?”

He asked her, “What clothes
should we dress you in, when we bury you?”
“I hadn’t thought,” she said.
“I wondered about the white salwar
kameez,” he said –
her favorite Indian silk they bought
in Pondicherry a year
and a half before, which she wore for best
or prettiest afterward.
She smiled. “Yes. Excellent,” she said.
He didn’t tell her
that a year earlier, dreaming awake,
he had seen her
in the coffin in her white salwar kameez.

Still, he couldn’t stop
planning. That night he broke out with,
“When Gus dies I’ll
have him cremated and scatter his ashes
on your grave!” She laughed
and her big eyes quickened and she nodded:
“It will be good
for the daffodils.” She lay pallid back
on the flowered pillow:
“Perkins, how do you think of these things?”

They talked about their
adventures – driving through England
when they first married,
and excursions to China and India.
Also they remembered
ordinary days – pond summers, working
on poems together,
walking the dog, reading Chekhov
aloud. When he praised
thousands of afternoon assignations
that carried them into
bliss and repose on this painted bed,
Jane burst into tears
and cried, “No more fucking. No more fucking!”

Incontinent three nights
before she died, Jane needed lifting
onto the commode.
He wiped her and helped her back into bed.
At five he fed the dog
and returned to find her across the room,
sitting in a straight chair.
When she couldn’t stand, how could she walk?
He feared she would fall
and called for an ambulance to the hospital,
but when he told Jane,
her mouth twisted down and tears started.
“Do we have to?” He canceled.
Jane said, “Perkins, be with me when I die.”

“Dying is simple,” she said.
“What’s worst is… the separation.”
When she no longer spoke,
they lay along together, touching,
and she fixed on him
her beautiful enormous round brown eyes,
shining, unblinking,
and passionate with love and dread.

One by one they came,
the oldest and dearest, to say goodbye
to this friend of the heart.
At first she said their names, wept, and touched;
then she smiled; then
turned one mouth-corner up. On the last day
she stared silent goodbyes
with her hands curled and her eye stuck open.

Leaving his place beside her,
where her eyes stared, he told her,
“I’ll put these letters
in the box.” She had not spoken
for three hours, and now Jane said
her last words: “O.K.”

At eight that night,
her eyes open as they stayed
until she died, brain-stem breathing
started, he bent to kiss
her pale cool lips again, and felt them
one last time gather
and purse and peck to kiss him back.

In the last hours, she kept
her forearms raised with pale fingers clenched
at cheek level, like
the goddess figurine over the bathroom sink.
Sometimes her right fist flicked
or spasmed toward her face. For twelve hours
until she died, he kept
scratching Jane Kenyon’s big bony nose.
A sharp, almost sweet
smell began to rise from her open mouth.
He watched her chest go still.
With his thumb he closed her round brown eyes.