Maria Lúcia Alvim – Nosferatu

Não era bem isso que eu queria, no entanto, ele veio. Olho de vidro, dente de espada, sopro de guerreiro afeito à noite. - Por que tarda tanto  o teu amanhecer sob a capa? - Porque veio?          perguntei. E ele debruçava, derramava sobre mim       um jeito de morrer.