Ted Kooser – Depois de anos

Hoje, de longe, eu a vi
se afastando, e, sem nenhum som,
a fronte brilhante de um glaciar
deslizou para o mar. Um antigo carvalho
tombou na Cumberlands, mantendo apenas
um punhado de folhas, e uma idosa
espalhando milho para suas galinhas olhou para cima
por um instante. No outro lado
da galáxia, uma estrela trinta e cinco vezes
maior do que o nosso próprio sol explodiu
e desapareceu, deixando um pequeno ponto verde
na retina do astrônomo
que estava na grande abóboda aberta
do meu coração sem ninguém a quem contar.

Trad.: Nelson Santander

After Years

Today, from a distance, I saw you
walking away, and without a sound
the glittering face of a glacier
slid into the sea. An ancient oak
fell in the Cumberlands, holding only
a handful of leaves, and an old woman
scattering corn to her chickens looked up
for an instant. At the other side
of the galaxy, a star thirty-five times
the size of our own sun exploded
and vanished, leaving a small green spot
on the astronomer’s retina
as he stood on the great open dome
of my heart with no one to tell.

Dorianne Laux – Interstício

Nós montamos o quebra-cabeça peça
por peça, apreciando como um entalhe
curvo se insere tão suavemente no outro.
Uma mancha amarela se transforma
na palha de uma vassoura, e duas peças azuis
completam o último pedaço do céu.
Juntos, remendamos as cadeiras de balanço e as árvores
do outono, combinando ouro com ouro. Temos
nas palmas das mãos os olhos do cervo, e um par
de sapatos marrons. Fazemos isso enquanto a criança
circula pelo seu quarto, impaciente
em seu desabrochar, cansada
da casa limpa, da cama feita,
do prato farto. Deixamos que ela medite
enquanto remexemos as peças,
colocando cada uma em seu lugar com requintes
de satisfação, nossas costas viradas por algumas horas
para um mundo se desmantelando, um céu
que está desabando, as peças
para as quais seremos obrigados a retornar.

Trad.: Nelson Santander

Break

We put the puzzle together piece
by piece, loving how one curved
notch fits so sweetly with another.
A yellow smudge becomes
the brush of a broom, and two blue arms
fill in the last of the sky.
We patch together porch swings and autumn
trees, matching gold to gold. We hold
the eyes of deer in our palms, a pair
of brown shoes. We do this as the child
circles her room, impatient
with her blossoming, tired
of the neat house, the made bed,
the good food. We let her brood
as we shuffle through the pieces,
setting each one into place with a satisfied
tap, our backs turned for a few hours
to a world that is crumbling, a sky
that is falling, the pieces
we are required to return to.

Fenando Pessoa – [Tenho tanto sentimento]

Tenho tanto sentimento
Que é frequente persuadir-me
De que sou sentimental,
Mas reconheço, ao medir-me,
Que tudo isso é pensamento,
Que não senti afinal.

Temos, todos que vivemos,
Uma vida que é vivida
E outra vida que é pensada,
E a única vida que temos
É essa que é dividida
Entre a verdadeira e a errada.

Qual porém é verdadeira
E qual errada, ninguém
Nos saberá explicar;
E vivemos de maneira
Que a vida que a gente tem
É a que tem que pensar.

Marie Howe – Quantas vezes

Não importa quantas vezes eu tente, não consigo impedir meu pai
de entrar no quarto da minha irmã

e não consigo ver melhor, inclinando-me daqui para olhar
em seus olhos. Está escuro no corredor

e todos estão dormindo. Este é o passado
onde tudo já está perfeito e nada muda,

onde o copo de água cai no chão do banheiro
e quica uma vez antes de quebrar.

Nada. Nem o som baixo que minha irmã emite, ao virar,
nem o baque da cauda do cachorro

que abre um olho para vê-lo cambaleando de volta para a cama
ainda bêbado, um pouco desorientado.

Isto é exatamente como eu sabia que seria.
E se eu murmurar o nome dela, sibilando um alerta,

o que tenho feito há anos, o cachorro ainda
se assusta e rosna até perceber

que é o nosso pai, e a porta ainda se abre, e ela
ainda emite aquele pequeno oh ao virar.

Trad.: Nelson Santander

How many times

No matter how many times I try I can’t stop my father
from walking into my sister’s room

and I can’t see any better, leaning from here to look
in his eyes. It’s dark in the hall

and everyone’s sleeping. This is the past
where everything is perfect already and nothing changes,

where the water glass falls to the bathroom floor
and bounces once before breaking.

Nothing. Not the small sound my sister makes, turning
over, not the thump of the dog’s tail

when he opens one eye to see him stumbling back to bed
still drunk, a little bewildered.

This is exactly as I knew it would be.
And if I whisper her name, hissing a warning,

I’ve been doing that for years now, and still the dog
startles and growls until he sees

it’s our father, and still the door opens, and she
makes that small oh turning over.

Kevin Hart – Noites

Não há nada que eu realmente queira:
As estrelas hoje à noite são profusas e frias
Acima da minha casa que vagamente paira
em uma via logo perdida nas trevas.

Meu prato raso está todo lascado
(o que indica que mudei bastante);
Meu copo está rachado de um lado
(isso mostra que há um rumo para mim).

Minhas mãos – nelas eu repouso minha cabeça.
Meus olhos – neles eu repouso minha mente.
Não há realmente nada que eu precise
Antes de prosseguir por aquela via.

Trad.: Nelson Santander

Nights

There’s nothing that I really want:
The stars tonight are rich and cold
Above my house that vaguely broods
Upon a path soon lost in dark.

My dinner plate is chipped all round
(It tells me that I’ve changed a lot);
My glass is cracked all down one side
(It shows there is a path for me).

My hands — I rest my head on them.
My eyes — I rest my mind on them.
There’s nothing that I really need
Before I set out on that path.

Steve Kowit – Algumas nuvens

Agora que desliguei o telefone,
ninguém poderá me encontrar –
Ao menos por esta tarde
eles terão que passar sem meus conselhos
e opiniões.
Agora ninguém mais vai ligar
& perguntar com uma voz vacilante
se eu ainda não ouvi que ela está morta,
a mulher que eu amei uma vez –
nada além de cinzas espalhadas por uma cidade
que já quase não existe mais.
Sim, obrigado, eu ouvi.
Tinha sido uma manhã muito agradável.
Isso por si só deveria ter-me alertado.
O sol iluminava as tangerinas
& fazia arder as poinsétias
como um punhado de velas.
Por uma tarde eles terão que me perdoar.
Estou ocupado vendo acontecer novamente coisas
que aconteceram há muito tempo.
enquanto me reclino na espreguiçadeira de Josephine
sob um céu de um azul inacreditável,
interrompido – se essa é a palavra para isso –
por algumas nuvens esvoaçantes
todas brancas & indescritivelmente adoráveis,
vagueando de um nada para outro.

Trad.: Nelson Santander

Some Clouds

Now that I’ve unplugged the phone,
no one can reach me –
At least for this one afternoon
they will have to get by without my advice
or opinion.
Now nobody else is going to call
& ask in a tentative voice
if I haven’t yet heard that she’s dead,
that woman I once loved –
nothing but ashes scattered over a city
that barely itself any longer exists.
Yes, thank you, I’ve heard.
It had been too lovely a morning.
That in itself should have warned me.
The sun lit up the tangerines
& the blazing poinsettias
like so many candles.
For one afternoon they will have to forgive me.
I am busy watching things happen again
that happened a long time ago.
as I lean back in Josephine’s lawnchair
under a sky of incredible blue,
broken – if that is the word for it –
by a few billowing clouds,
all white & unspeakably lovely,
drifting out of one nothingness into another.

Juan Vicente Piqueras – Wuang Shi, pirata aposentado, fala em sua festa de aniversário no hospital de Ching Pei para seus amigos e convidados imaginários

Wuang Shi, pirata aposentado, fala em sua festa de aniversário no hospital de Ching Pei para seus amigos e convidados imaginários

          para Rafa Rodríguez

Perdeu-se a honra.
Como se fosse o tempo,
a vida, o rumo ou a paciência
perdeu-se a honra. E aqui estamos.

Todos sabeis quem sou e não direi
meu nome nem minha linhagem,
pois isso vos ofenderia.

Nasci em uma praia de um mar morto
e passei minha vida
vendendo escravos e comprando amor.
Olhai-me bem, olhai-me e escutai-me em silêncio!
Olhai-me aqui e vamos! Evitai o pranto!
Odeio a compaixão. Amo o mar e a morte.
Odeio a compaixão como odeio o medo,
os museus marítimos, as lágrimas.

Cresci em um porto com a cor dos sonhos
entre o odor de viagens e de sangue dos traidores.
Minha escola foi a sede. E com o mar aprendi
uma brutal lição de transparência.

Mal sei ler
e meu único verso verdadeiro
é a linha infinita do horizonte.

A que devo essas caras?
Olhai as cicatrizes que há na minha?
Meus olhos estão tristes e nunca choraram
mas meu peito tem a força da tempestade.
Não me olheis assim como juízes piedosos!
Por que fingir tristeza? Odeio a compaixão.

Perdeu-se a honra. Como se perde tudo.

Se já não vendo escravos nem me vendem amor,
se hoje escuto meu nome e vejo um navio afundar,
se não sei por que vos falo nem se estais me ouvindo,
se o mar me despojou de tudo quanto me deu um dia,
e apenas sobrevivo e já pareço
uma estrela-do-mar que na baixa da maré
ficou na areia, sob o sol, rascunhando
sua agonia em estranhos rabiscos,
a quem importa, o que podeis fazer?

Hoje faço mais um ano. Nem lembro quantos.
Tenho uma idade estúpida, idônea para nada.
Não há motivos para júbilo. Tampouco para tristeza.
Perdoai o desconforto e as cinzas
destas palavras, desta velha voz.
Simplesmente bebamos, e em silêncio,
tentando esquecer que estamos mortos.

Obrigado pela visita, meus amigos.
Perdeu-se a honra. E nada mais.

Trad.: Nelson Santander

Wuang Shi, pirata retirado, habla en su fiesta de cumpleanos en el hospital de Ching Pei a sus amigos e invitados imaginarios
               
          a Rafa Rodríguez

Se ha perdido el honor.
Como si fuera el tiempo
o la vida o el rumbo o la paciencia
se ha perdido el honor. Allá nosotros.

Todos sabéis quién soy y no diré
mi nombre ni mi estirpe
pues sería ofenderos.

Yo nací en una playa de un mar muerto
y he pasado mi vida
vendiendo esclavos y comprando amor.
¡Miradme bien, miradme y esuchadme en silencio!
¡Miradme aquí y sí! ¡Evitad el llanto!
Odio la compasion. Amo el mar y la muerte.
Odio la compasión como odio el miedo,
los museos marítimos, las lágrimas.

Crecí en un puerto de color soñado
entre un olor a viajes y a sangre de traidores.
Mi escuela fue la sed. Y del mar aprendí
una brutal lección de transparencia.

Apenas sé leer
y mi único verso verdadero
es la linea sin fin del horizonte.

¿A qué debo esas caras?
¿Miráis las cicatrices de la mía?
Mis ojos están tristes y no han llorado nunca
pero mi pecho tiene talante de tormenta.
¡No me miréis así como jueces piadosos!
¿Por que fingir tristeza? Odio la compasión.

Se ha perdido el honor. Como se pierde todo.

Si ya no vendo esclavos ni me venden amor,
si hoy escucho mi nombre y veo un barco hundirse,
si no sé por qué os hablo ni si me estáis oyendo,
si el mar me ha despojado de cuanto me dio un día
y sólo sobrevivo y ya parezco
una estrella de mar que al bajar la marea
ha quedado en la arena, bajo el sol, dibujando
su agonía en extraños garabatos,
a quién le importa, qué podéis hacer.

Hoy cumplo un año más. Ni los recuerdo.
Tengo una edad estúpida, idónea para nada.
No hay motivos de júbilo. Tampoco de tristeza.
Perdonad la molestia y la ceniza
de estas palabras, de esta vieja voz.
Bebamos simplemente y en silencio,
intentando olvidar que estamos muertos.

Gracias por la visita, amigos míos.
Se ha perdido el honor. Y nada más.

Connie Wanek – Depois de nós

Depois de nós

     Não sei se estamos no início ou na fase final.

       Tomas Tranströmer

A chuva está caindo através do telhado.
E tudo o que prosperou debaixo do sol,
os livros que se abriram de manhã
e se fecharam à noite, e o dia inteiro
viraram suas páginas para a luz;

os esboços de barcos e de fortes antebraços
e rostos inteligentes, e de campos
e celeiros, e de uma bandeja de ovos,
e a haste prateada de uma flauta
repousando sobre o piano; todas as coisas

inventadas e imaginadas,
todas as coisas suspiradas e cantadas,
tudo foi silenciado pela chuva fria.

O céu está da cor das lápides.
A chuva tem gosto de sal e se eleva
nas ruas como uma maré ruinosa.
Falamos de milhões, de bilhões de anos.
Nós conversamos e conversamos.

Então uma gota de chuva caiu
dentro da boca do violão, e outra
em cima da cama desfeita. E depois de nós,
a chuva cessará ou continuará caindo,
até sobre si mesma.

Trad.: Nelson Santander

After Us

     I don’t know if we’re in the beginning or in the final stage.

       Tomas Tranströmer

Rain is falling through the roof.
And all that prospered under the sun,
the books that opened in the morning
and closed at night, and all day
turned their pages to the light;

the sketches of boats and strong forearms
and clever faces, and of fields
and barns, and of a bowl of eggs,
and lying across the piano
the silver stick of a flute; everything

invented and imagined,
everything whispered and sung,
all silenced by cold rain.

The sky is the color of gravestones.
The rain tastes like salt, and rises
in the streets like a ruinous tide.
We spoke of millions, of billions of years.
We talked and talked.

Then a drop of rain fell
into the sound hole of the guitar, another
onto the unmade bed. And after us,
the rain will cease or it will go on falling,
even upon itself.

Jane Kenyon – A tigela azul

Como primitivos, enterramos o gato
com seu prato. Com as mãos nuas
raspamos areia e cascalho
de volta para o buraco.
               Caíram com um silvo
e um baque ao lado dele,
em seu longo pelo vermelho, o branco pelame
entre seus dedos, e seu
longo, para não dizer aquilino, nariz.

Nós nos levantamos e nos afastamos um do outro.
Existem dores mais agudas do que esta.

Em silêncio o resto do dia, nós trabalhamos,
comemos, contemplamos, e dormimos. Choveu forte
a noite toda; agora clareou, e um tordo
gorjeia de um arbusto gotejante
como um vizinho que tem boas intenções
mas sempre diz a coisa errada.

Trad.: Nelson Santander

The Blue Bowl

Like primitives we buried the cat
with his bowl. Bare-handed
we scraped sand and gravel
back into the hole.
               They fell with a hiss
and thud on his side,
on his long red fur, the white feathers
between his toes, and his
long, not to say aquiline, nose.

We stood and brushed each other off.
There are sorrows keener than these.

Silent the rest of the day, we worked,
ate, stared, and slept. It stormed
all night; now it clears, and a robin
burbles from a dripping bush
like the neighbor who means well
but always says the wrong thing.

Forrest Hamer – Lição

Foi no verão de 63 ou 64,
e meu pai estava transportando nossa família
de Ft. Hood para a Carolina do Norte em nosso Buick 56.
Tínhamos ouvido falar dos ataques da Klan, e sabíamos que

no Mississippi estava mais perigoso do que o habitual.
A escuridão pendurava-se às arvores como musgo,
e sempre que a luz gemia contra os vidros
naquela noite, meu pai saía da estrada para dormir.

Ruídos
que normalmente me faziam acordar com medo de monstros
também mantinham meu pai desperto naquela noite,
e eu permanecia em silêncio observando-o ouvir, aprendendo
que ele nem sempre poderia ser capaz de nos proteger

de tudo e, além disso, das criaturas;
talvez nem mesmo da fúria que subitamente
percorreu meu corpo por sua viagem do Texas
para nos instalar em casa antes de partir

para um lugar sem lugar no mundo
que ele chamou de Viet Nam. Um menino precisa de um pai
com ele, eu fiquei pensando, fixado naquele ruído
da escuridão.

Trad.: Nelson Santander

Lesson

It was 1963 or 4, summer,
and my father was driving our family
from Ft. Hood to North Carolina in our 56 Buick.
We’d been hearing about Klan attacks, and we knew

Mississippi to be more dangerous than usual.
Dark lay hanging from the trees the way moss did,
and when it moaned light against the windows
that night, my father pulled off the road to sleep.

Noises
that usually woke me from rest afraid of monsters
kept my father awake that night, too,
and I lay in the quiet noticing him listen, learning
that he might not be able always to protect us

from everything and the creatures besides;
perhaps not even from the fury suddenly loud
through my body about his trip from Texas
to settle us home before he would go away

to a place no place in the world
he named Viet Nam. A boy needs a father
with him, I kept thinking, fixed against noise
from the dark.