Nelson Santander – O dia em que meu pai ouviu a voz de Deus

O conhecido escritor de ficção científica Arthur C. Clarke formulou três "leis" acerca da relação entre o homem e a tecnologia que ficaram muito famosas. Dentre elas, a mais conhecida é a terceira, que reza: "Qualquer tecnologia suficientemente avançada é indistinguível da magia." Lembrei dessa Lei quando, em um certo domingo, fui visitar meus pais. … Continue lendo Nelson Santander – O dia em que meu pai ouviu a voz de Deus

Nelson Santander – O ano novo inalcançável

Meu xará Nelson Motta costuma afirmar, sem firulas, que a música americana é a melhor do mundo. O jornalista, compositor, escritor, roteirista, produtor musical, teatrólogo e letrista paulista radicado no Rio de Janeiro dispensa apresentações: sua extensa produção em todos os quadrantes da atividade musical - da produção à composição, passando pela crítica e história … Continue lendo Nelson Santander – O ano novo inalcançável

Nelson Santander – Singularidade

Logo no início do blog, publiquei alguns poemas de minha autoria, não tanto pelo valor intrínseco que cada um deles dificilmente possa ter, mas para deixa-los "arquivados" nesse grande arquivo virtual que é a internet. Dentre eles, o poema que segue é aquele que considero o menos ruim de todos os que cometi. Como minhas … Continue lendo Nelson Santander – Singularidade

Nelson Santander – A elite oitocentista pela ótica de Machado de Assis: a violação da norma como norma

O artigo que segue, de minha autoria, foi publicado na obra coletiva "Direito e desenvolvimento: estudos sobre a questão ambiental e a sustentabilidade - Homenagem ao Prof. Márcio Teixeira", organizada por Caio Henrique Lopes Ramiro e Lis Maria Bonadio Precipito (São Paulo: LiberArs, 2015, 308p.). Fortemente influenciado pela obra "Um mestre na periferia do capitalismo", … Continue lendo Nelson Santander – A elite oitocentista pela ótica de Machado de Assis: a violação da norma como norma

Nelson Santander – [secos são os homens sem sonhos]

"secos são os homens sem sonhos", um poema de Nelson Santander secos são os homens sem sonhos desertos rios de margens estreitas trilham apenas os caminhos que a terra dita

Apresentação de “The Wild Iris”, de Louise Glück

Atualizado em 08/10/2020: tive contato com a obra de Louise Glück no ano passado. Como narrado na apresentação que segue, fui tão impactado pela qualidade de seus poemas que me vi na contingência de traduzir, na íntegra, um de seus principais trabalhos - The Wild Iris. E desde então, tenho traduzido diversos outros grandes poemas … Continue lendo Apresentação de “The Wild Iris”, de Louise Glück