Tomas Tranströmer – Minnena Ser Mig (em duas traduções)

Memórias que me Observam Manhã de Junho, cedo demais para acordar, tarde demais para adormecer. Tenho de sair – é densa a folhagem das memórias, perseguem-me com o seu olhar. Não se deixam ver, misturam-se todas com o fundo, verdadeiros camaleões. Tão perto estão que as ouço respirarem aqui onde o canto do pássaro ensurdece. … Continue lendo Tomas Tranströmer – Minnena Ser Mig (em duas traduções)