John Donne – Em despedida: proibindo o pranto

Como esses santos homens que se apagam Sussurrando aos espíritos: “Que vão…”, Enquanto alguns dos amigos amargos Dizem: “Ainda respira.” E outros: “Não.” — Nos dissolvamos sem fazer ruído. Sem tempestades de ais, sem rios de pranto, Fora profanação nossa ao ouvido Dos leigos descerrar todo este encanto. O terremoto traz terror e morte E … Continue lendo John Donne – Em despedida: proibindo o pranto

John Donne – Elegia: indo para o leito

Vem, Dama, vem, que eu desafio a paz; Até que eu lute, em luta o corpo jaz. Como o inimigo diante do inimigo, Canso-me de esperar se nunca brigo. Solta esse cinto sideral que vela, Céu cintilante, uma área ainda mais bela. Desata esse corpete constelado, Feito para deter o olhar ousado. Entrega-te ao torpor … Continue lendo John Donne – Elegia: indo para o leito