Víctor Botas – “Collige, virgo, rosas”

Não falta quem suponha que em sessenta bilhões de anos voltaremos a ser como agora (aparentemente o Espaço se dilata para logo, elástico, encolher-se e novamente outra vez dilatar-se), repetindo tu, as profundidades desses olhos, eu, este esperar a morte de tua mão agônica nas minhas, aqui mesmo, neste lugar. Mas, caso seja tudo uma … Continue lendo Víctor Botas – “Collige, virgo, rosas”