Emily Dickinson – Depois de uma grande dor sobrevém um sentimento austero

Depois de uma grande dor sobrevém um sentimento austero - Os Nervos ficam cerimoniosos tal qual um cemitério - Questiona o rijo Coração, 'o que resistiu, foi Quem?', E 'Séculos antes ou Ontem?' Circundam, mecânicos, os pés - Os Sopés, o Ar, ou um Quê - Um caminho de madeira Que negligentemente medra Um contentamento … Continue lendo Emily Dickinson – Depois de uma grande dor sobrevém um sentimento austero

Emily Dickinson – Poema 1.222

O Enigma decifrado Despreza-se com pressa — A Surpresa de Ontem Já não nos interessa — Trad.: Augusto de Campos Poem 1.222 The Riddle we can guess We speedily despise — Not anything is stale so long As Yesterday's surprise —

Emily Dickinson – de “Não sou ninguém”

27 Poetas mártires — não clamam — A Dor em sílabas transmudam — Falam por eles seus poemas — Quando já estejam mudos. Pintores mártires — Não falam — Com sua Obra eles almejam Que quando já não sejam mais — Alguns busquem na Arte — a Paz — Trad.: Augusto de Campos The Martyr … Continue lendo Emily Dickinson – de “Não sou ninguém”

Emily Dickinson – “Senti um Féretro em meu Cérebro…”

Senti um Féretro em meu Cérebro, E Carpideiras indo e vindo A pisar — a pisar — até eu sonhar Meus sentidos fugindo — E quando tudo se sentou, O Tambor de um Ofício — Bateu — bateu — até eu sentir Inerte o meu Juízo E eu os ouvi — erguida a Tampa — … Continue lendo Emily Dickinson – “Senti um Féretro em meu Cérebro…”

Emily Dickinson – “Morrer por ti era pouco…”

Morrer por ti era pouco. Qualquer grego o fizera. Viver é mais difícil — É esta a minha oferta — Morrer é nada, nem Mais. Porém viver importa Morte múltipla — sem O Alívio de estar morta. Trad.: Augusto de Campos Too scanty ’twas to die for you, The merest Greek could that. The living, … Continue lendo Emily Dickinson – “Morrer por ti era pouco…”

Emily Dickinson – Morri pela Beleza

Morri pela Beleza - e assim que no Jazigo Meu Corpo foi fechado, Um outro Morto foi depositado Num Túmulo contíguo - "Por que morreu?" murmurou sua voz. "Pela Beleza" - retruquei - "Pois eu - pela Verdade - É o Mesmo. Nós Somos Irmãos. É uma só lei" - E assim Parentes pela Noite, … Continue lendo Emily Dickinson – Morri pela Beleza

Emily Dickinson – Dizem que “O Tempo Consola”

Dizem que “O Tempo consola” — Mas não — na realidade, A vera dor, como um Tendão, Se fortalece, com a idade — O Tempo testa a Tristeza — Porém não a remedia — Se cura o Mal, prova apenas Que Mal deveras não havia — Trad.: Paulo Henriques Britto They say that “Time assuages” … Continue lendo Emily Dickinson – Dizem que “O Tempo Consola”

Emily Dickinson – Cemitério

Este pó foram damas, cavalheiros, Rapazes e meninas; Foi riso, foi espírito e suspiro, Vestidos, tranças finas. Este lugar foram jardins que abelhas E flores alegraram. Findo o verão, findava o seu destino… E como estes, passaram. Tradução Manuel Bandeira