William Carlos Williams – Nevasca

Neve: anos de fúria seguidos de horas que flutuam ociosamente — a nevasca dispersa seu fardo mais e mais por três dias ou sessenta anos, heim? Então o sol! um tumulto de flocos amarelos e azuis — Árvores de aparência hirsuta se destacam em longas vielas além da selvagem solidão. O homem se volta e … Continue lendo William Carlos Williams – Nevasca

William Carlos Williams – A Árvore sem Folhas

A cerejeira sem folhas mais alta que o teto deu ano passado muita fruta. Como falar porém de fruta diante desse esqueleto? Embora possa estar vivo não há fruta nele. Por isso derrubem-no e usem a lenha contra este frio cortante. Trad.: José Paulo Paes   The bare tree The bare cherry tree higher than … Continue lendo William Carlos Williams – A Árvore sem Folhas

William Carlos Williams – As Árvores de Botticelli

O alfabeto das árvores se esfuma no canto das folhas os entre- laços de finas letras que soletram inverno e o frio são iluminados em apontos de verde por chuva e sol - Os princípios simples estritos de justos ramos são tangidos por beliscões afãs de cor, devotas condições os sorrisos de amor - ……………. … Continue lendo William Carlos Williams – As Árvores de Botticelli

William Carlos Williams – O Vento Aumenta

A saqueada terra está varrida As árvores o brilho da tulipa desponta dobram-se e dançam – Desata teu amor para fluir Florir! Bom Cristo o que é um poeta – se algum existe? um homem cujas palavras irão morder sua trilha de retorno – ser atual tendo a forma. do movimento Em cada ramo-em-ponta novo … Continue lendo William Carlos Williams – O Vento Aumenta

William Carlos Williams – Estas

ESTAS são as semanas desoladas, sombrias em que na sua aridez a natureza rivaliza com a estupidez humana. O ano despenha-se na noite e o coração é um abismo mais fundo que a noite nesse vazio varrido pelo vento sem sol, sem lua nem estrelas apenas uma estranha luz do pensamento que lança um tenebroso … Continue lendo William Carlos Williams – Estas