Vitor Nogueira – Domingo

Acordamos com o céu encostado no ouvido, nuvens que ladravam e mordiam o domingo, a partir do alto das montanhas. E aqui continuamos, agarrados a nós próprios, como dois miúdos que não têm para onde ir. Estamos presos ao sofá unicamente porque sim, nem tristes nem alegres, metidos no roupão e nos chinelos, pequenos cadeados … Continue lendo Vitor Nogueira – Domingo

Vitor Nogueira – Formol

A casa por sob o sótão. O sótão por sobre a casa. A casa por sobre a rua. A rua por sobre o mundo. À volta desta praça, quis o tempo conservados em formol os edifícios, esquinas de onde surgem cada vez mais perguntas sem aviso. Escondida pela fachada do liceu há-de estar ainda a … Continue lendo Vitor Nogueira – Formol

Vítor Nogueira – Gelo

Agora é apenas um café com paredes adornadas, imagens retratando destemidos ancestrais. O tempo foi passando, não foi? Um acidente em câmara lenta a uma escala cataclísmica. Grande parte daquilo que fazemos é construir memória, uma promessa frágil ao futuro. E pensar que na vida acumulamos tanta coisa, sobretudo se por hábito não deitamos nada … Continue lendo Vítor Nogueira – Gelo

Vitor Nogueira – Sementes

É claro que me lembro. Havia dois atalhos pelo meio do pinhal, direcções espantosamente precisas, animais que não voltei a ver.   Enquanto as colheitas amadureciam nos campos, havia talismãs pendurados nas árvores e mercúrio para tratar certas lesões, uma peça vital do equipamento. Havia girassóis à volta da casa e as palavras imortais dos … Continue lendo Vitor Nogueira – Sementes