César Vallejo – Os passos distantes

  Meu pai dorme. Seu semblante augusto exprime um tranquilo coração; está agora tão doce... se há algo nele de amargo, serei eu.   Há solidão no lar; se reza; e não há notícias das crianças hoje. Meu pai desperta, ausculta a fuga para o Egito, o último adeus.   Está agora tão perto; se há algo nele … Continue lendo César Vallejo – Os passos distantes

César Vallejo – Paris, Outubro de 1936

De tudo isto eu sou o único que parte. Deste banco eu me vou, de meus calções, de minha grande situação, de minhas ações, de meu número dividido de lado a lado, de tudo isto eu sou o único que parte. Dos Campos Elísios ou ao dar a volta à estranha viela de la Luna, … Continue lendo César Vallejo – Paris, Outubro de 1936