Paulo Henriques Britto – Madrigal

Desista: não vai dar certo. O mundo é o mesmo de sempre, desejo é uma coisa cega. Desista, enquanto é tempo. As mãos não sabem o que pegam, os pés vão aonde não sabem. As cartas estão marcadas: vai dar desgraça na certa. O mundo é sempre a esmo, desejo é uma porta aberta. Desista, … Continue lendo Paulo Henriques Britto – Madrigal

Paulo Henriques Britto – Cuidado Poeta…

Cuidado, poeta: o tempo engorda a alma. Depois de um certo número de páginas anjos não pousam mais nas entrelinhas. E até a lucidez, essa moderna, também se gasta, como qualquer moeda. O ter o que dizer é jogo arriscado, não se resolve com um só lance de dados. Não basta a precisão do gesto … Continue lendo Paulo Henriques Britto – Cuidado Poeta…

Paulo Henriques Britto – Soneto Inglês

A surpresa do amor — quando já não se espera do mundo nada em especial, e a evidência de que os anos vão se acumulando sem nenhum sinal de sentido já não dói nem comove — quando em matéria de felicidade não se deseja mais que uns nove metros quadrados de privacidade para abrigar os … Continue lendo Paulo Henriques Britto – Soneto Inglês

Paulo Henriques Britto – Crepuscular

1. Chegamos tarde. (Era sempre maio, sempre madrugada. Tudo era turvo. Éramos em bando. Por medo. Ou tédio. Havia um lobo à solta na cidade aberta, e uma loucura provisória era a nossa premissa, nossa promessa. Era preciso estar o tempo todo atento, em transe, em trânsito, no assédio a um ou outro flanco do … Continue lendo Paulo Henriques Britto – Crepuscular

Paulo Henriques Britto – Memento Mori II

Luz frágil que brota no breu e num rápido relance dá forma e cor e corpo às coisas todas, luz que se apega o pouco que pode às aparências, acredita piamente no sonho de substância que secretam, luta com todas as parcas forças contra o conforto de apagar-se enfim por trás de duas implacáveis pálpebras.

Paulo Henriques Britto – Memento Mori I

Nenhum sinal da solidão se vê lá onde o amor corrói a carne a fundo. Dentro da pele, no entanto, você é só você contra o mundo. Esta felicidade que abastece seu organismo, feito um combustível, é volátil. Tudo que sobe desce. Tudo que dói é possível.

Paulo Henriques Britto – Acalanto

Noite após noite, exaustos, lado a lado, digerindo o dia, além das palavras e aquém do sono, nos simplificamos, despidos de projetos e passados, fartos de voz e verticalidade, contentes de ser só corpos na cama; e o mais das vezes, antes do mergulho na morte corriqueira e provisória de uma dormida, nos satisfazemos em … Continue lendo Paulo Henriques Britto – Acalanto

Paulo Henriques Britto – De “Três Epifanias Triviais”

As coisas que te cercam, até onde alcança tua vista, tão passivas em sua opacidade, que te impedem de enxergar o (inexistente) horizonte, que justamente por não serem vivas se prestam para tudo, e nunca pedem nem mesmo uma migalha de atenção, essas coisas que você usa e esquece assim que larga na primeira mesa — … Continue lendo Paulo Henriques Britto – De “Três Epifanias Triviais”

Paulo Bomfim – Soneto I

Venho de longe, trago o pensamento Banhado em velhos sais e maresias; Arrasto velas rotas pelo vento E mastros carregados de agonias. Provenho desses mares esquecidos Nos roteiros de há muito abandonados E trago na retina diluídos Os misteriosos portos não tocados. Retenho dentro da alma, preso à quilha Todo um mar de sargaços e … Continue lendo Paulo Bomfim – Soneto I