Ana Martins Marques – Relâmpagos

O pensamento
é um pornógrafo
e quase só de palavras
se faz o amor

e no entanto não se embaraça
o pensamento com os cabelos
como os meus cabelos
se embaraçavam nos seus

e não se misturam as palavras
com as palavras como na boca
a saliva se mistura
com a saliva

nem as línguas que falamos
deixam gosto na língua

ou eu teria ainda na minha
o sal da sua

nem anoitece na memória
aos poucos como anoitecia
naquele quarto estreito

já fui um ser de duas cabeças
e ancas
já tive quatro pernas duas bocas
tive quatro braços e mãos
e vinte dedos das mãos
e dois sexos e dois corações
pulsando
simultâneos

já tive só palavras rápidas
como relâmpagos
atravessando a pele

o que foi feito das palavras
que trocamos?

o que foi feito desse ser
desajustado para o mundo?

o que ficou além da cicatriz
dos relâmpagos?

Ana Martins Marques – A porta de saída

“Eu vou morrer, mas
isso é tudo o que farei pela Morte”
Edna St. Vincent Millay, Objeção de consciência

“Alô, iniludível” 
Manuel Bandeira, Consoada

A porta de saída

Mas não serei eu
a colocar-lhe a mesa
– quando chegar
encontrará a casa como sempre
em desordem
cheia de livros e discos
com plantas e gatos ao sol
e os papéis em órbita
em torno da cama
e os lençóis revoltos
como em alto-mar
quando vier
dar cabo dos aniversários
comer a carne até os ossos
encontrará as coisas acesas
fora do lugar
o campo por lavrar e
a louça por lavar
quando chegar
que se sirva
do que achar
e feche ao sair a porta
por fora 

Ana Martins Marques – [Você se dá conta]

Você se dá conta
de repente
de que muitos dos poemas que ama
foram na verdade escritos
por seus tradutores:
senhores míopes
enfiados em escritórios improvisados
em quartinhos dos fundos
enquanto os netos jogam bola na sala
jovens mães de família
implorando por umas horas de silêncio
traduzindo versos longos
enquanto ouvem ao fundo bater
como um mar
a máquina de lavar
professoras aposentadas
que se metem a verter ao português os versos
de um velho poeta chileno
funcionários públicos que passam suas horas livres
trocando palavras umas pelas outras
como numa casa de câmbio
doutorandos mal remunerados
autores de outros poemas
que você não ama
debruçados sobre palavras
que você nunca vai ler
e lançando sobre o papel
novas palavras
que se tornarão depois
suas palavras preferidas.

*

Você entrava nesses poemas
como num mar estrangeiro
como daquela vez que entrou no mar
de um outro continente
um mar feminino
sob um sol feminino
e teve a impressão de ter abandonado
partes de si mesma
da sua vida da sua língua do seu nome
junto com as roupas amontoadas
na areia.

*

São muitas
você sabe
as palavras
e esperam
como toras de madeira empilhadas
capim crescido
mercadorias que aguardam
transporte
pequenos barcos a remo sem remo
máquinas que não se sabe
para que servem
cartas extraviadas
no voo
as manchas de café nas páginas
de um livro
todas as coisas encontradas no estômago
da morsa que morreu em 1961 no zoológico de Berlim
esperam
que você as escute
e as deixe dizer
o que dizem
no entanto você não pode
– um rastilho de pólvora
e você não tem isqueiro –
precisa de outro que as acenda
só pode se aquecer numa fogueira
emprestada
– é mais ou menos isso
mas com outras palavras.

Ana Martins Marques – [Pense em quantos anos foram necessários para chegarmos a este ano]

Pense em quantos anos foram necessários para chegarmos a este ano
quantas cidades para chegarmos a esta cidade
e quantas mães, todas mortas, até tua mãe
quantas línguas até que a língua fosse esta
e quantos verões até precisamente este verão
este em que nos encontramos neste sítio
exato
à beira de um mar rigorosamente igual
a única coisa que não muda porque muda sempre
quantas tardes e praias vazias foram necessárias para chegarmos ao vazio
desta praia nesta tarde
quantas palavras até esta palavra, esta

Ana Martins Marques – de “Três Postais”

São Paulo

Depois de um tempo
todas as coisas ficam marcadas
como se estivessem
impregnadas de veneno

Há um tempo em que os lugares
são limpos e novos
abertos como clareiras
mas já não é este o tempo

Sobre cada lugar se sobrepõe
a experiência do lugar
como um selo
num cartão postal

Por exemplo
hoje sempre que sobrevoo
São Paulo
penso que em algum apartamento
desta cidade interminável
você
fumando
de óculos
exerce seu direito
inalienável
de não mais pensar
em mim

Ana Martins Marques – História

Tenho 39 anos.
Meus dentes têm cerca de 7 anos a menos.
Meus seios têm cerca de 12 anos a menos.
Bem mais recentes são meus cabelos
e minhas unhas.
Pela manhã como um pão.
Ele tem um história de 2 dias.
Ao sair do meu apartamento,
que tem cerca de 40 anos,
vestindo uma calça jeans de 40 anos
e uma camiseta de não mais do que 3,
troco com meu vizinho
palavras
de cerca de 800 anos
e piso sem querer numa poça
com 2 horas de história
desfazendo
uma imagem
que viveu
alguns segundos.

Ana Martins Marques – a parte que me cabe

a parte do teu corpo
que procura pelo sol
como os gatos pela casa

a parte que permanece imóvel
quando cantas, aquela que se move
quando estás parado

a parte que apenas a mim
e de relance, por descuido
revelaste

a parte onde guardas as memórias
de infância, a parte que ainda anseia
pelo futuro

a parte que demora
a acordar
depois que acordaste

a parte que discorda
ainda de mim
quando já cedeste

aquela que adere
mais fortemente
ao teu nome

a parte que guarda
silêncio enquanto
falas

a parte que
quando estás cansado
ainda não se cansou

a parte ainda noturna
quando é dia, diurna
quando é noite

a parte que
tem parte
com o mar

Ana Martins Marques – Religião

‘If I were called in
to construct a religion
I should make use of water’
– Philip Larkin

Inaugurar uma religião:
adorar os pontos em que se formam
as estações do ano
os gestos de desnudar-se
o dia depois da chuva
a distância: entre uma árvore e outra árvore,
entre cidades com o mesmo nome
em diferentes continentes.
Criar relíquias:
os táxis ao entardecer, as colheres
brilhando ao sol
esboços de mãos e pés
de pintores antigos
as presas ensanguentadas
que nos trazem os gatos.
E ainda outras, íntimas, insensatas
a luz nos seus cabelos
as fotografias de parentes
que não sabemos quem são.
Adotar novas bíblias:
longos romances inacabados
palavras lidas sobre os ombros
de alguém no metrô
poemas clássicos traduzidos
por tradutores automáticos.
Reconhecer enfim o divórcio
como um sacramento.
Na liturgia
tocar como partituras
os mapas das cidades.
E no Natal
só celebrar o que nasce
do sexo
para morrer
de fato.

Ana Martins Marques – Sem Título

Porque sua camiseta secou ao sol ela tem a cor do sol
porque seus cabelos secaram ao vento seus pensamentos têm
a velocidade do vento

porque você disse “noite” sua boca
terá o gosto do mar noturno

porque você não conheceu meu avô você me amará menos
porque não te conheci quando criança eu te amarei mais

porque você conheceu os meus livros antes de me conhecer
você nunca vai me conhecer