Wendell Berry – Tudo de que precisamos está aqui

Gansos surgem bem acima de nós,passam, e o céu se fecha. O abandono,como no amor ou no sono, os mantémno seu caminho, clarona antiga fé: tudo de que precisamosestá aqui. E oramos, nãopor uma terra ou um céu novos, mas para termoscalma no coração, e no olhar,clareza. Tudo de que precisamos está aqui. Trad.: Nelson … Continue lendo Wendell Berry – Tudo de que precisamos está aqui

Wendell Berry – O desejo de ser generoso

Tudo o que eu sirvo, morrerá, todos os meus deleites,a carne acesa de minha carne, jardim e campo,os lírios silenciosos que se encontram na floresta, as florestas, a colina, a terra toda, tudoarderá na maldade humana, ou encolherána própria velhice. Que o mundo me proporcioneo sono das trevas sem estrelas, para que eu possa conhecerminha … Continue lendo Wendell Berry – O desejo de ser generoso

Wendell Berry – Questionário

1. Quanto veneno você está dispostoa consumir para o sucesso do livremercado e do comércio internacional? Por favor,indique seus venenos preferidos. 2. Em nome do bem, quantomal você está disposto a praticar?Preencha os campos abaixocom os nomes de suas maldades eatos de ódio favoritos. 3. Que sacrifícios você está dispostoa fazer pela cultura e pela … Continue lendo Wendell Berry – Questionário

Wendell Berry – De “Sabbaths” (2001)

[...] III Peça ao mundo que revele sua quietude — não o silêncio das máquinas quando estão paradas, mas a verdadeira quietude pela qual canto dos pássaros, árvores, Uvularias, caracóis, nuvens, tempestades se tornam o que são, e nada mais. [...] V O vento do outono está aqui. Está em toda parte. Move todas as … Continue lendo Wendell Berry – De “Sabbaths” (2001)

Wendell Berry – Antes de escurecer

Da varanda ao entardecer eu vi um martim-pescador selvagem em um voo que ele só poderia estar realizando por prazer. Ele veio pelo rio, chapinhando contra o rosto turvo da água como uma pedra saltitante, passando adiante longe da vista. E ainda assim eu podia ouvir o chapinhar cada vez mais distante à medida que … Continue lendo Wendell Berry – Antes de escurecer

Wendell Berry – A Paz das Coisas Selvagens

Quando as dores do mundo crescem em mime eu desperto na noite a um mínimo ruídotemendo pelo que poderá ser de minha vida e das de meus filhos,eu saio e me deito onde o pato carolinodescansa em sua beleza na água, e a garça se alimenta.Eu penetro na paz das coisas selvagensque não tributa suas … Continue lendo Wendell Berry – A Paz das Coisas Selvagens