Rosario Castellanos – Destino

Matamos o que amamos. O resto nunca esteve vivo. Ninguém está tão perto. A nenhum outro fere um esquecimento, uma ausência, às vezes menos. Matamos o que amamos. Que cesse esta asfixia de respirar por um pulmão distante! O ar não é suficiente para os dois. E não basta a terra para os corpos juntos … Continue lendo Rosario Castellanos – Destino