Paul Valéry – Cemitério Marinho

          Ó min'alma não aspires          A uma existência imortal,          Mas goza plenamente          Tudo o que estiver ao teu alcance.            Píndaro            Píticas III Este teto tranquilo, onde caminham pombas,Palpita entre pinheiros e tumbas;Compõe-lhe de luz o meio dia justoO mar, o mar, sempre recomeçado!Que recompensa após meditaçãoN'um longo olhar sobre a calma dos deuses! Puro lavor de finos lampejos consumaTanto diamante de … Continue lendo Paul Valéry – Cemitério Marinho