Lisel Mueller – Imortalidade

No castelo da Bela Adormecidao relógio bate cem anose a garota na torre volta ao mundo.O mesmo ocorre com os criados na cozinha,que nem sequer esfregam os olhos.A mão direita do cozinheiro, levantadahá exatamente um século,completa seu arco descendenteaté a orelha esquerda do ajudante de cozinha;as tensas cordas vocais do garotolibertam finalmenteo sofrido lamento aprisionado,e … Continue lendo Lisel Mueller – Imortalidade

Lisel Mueller – Quando me perguntam

Quando me perguntam como comecei a escrever poesia, eu falo da indiferença da natureza. Foi logo depois que minha mãe faleceu, um brilhante dia de junho no qual tudo florescia. Sentei-me em um banco de pedra acinzentado em um jardim carinhosamente cultivado, mas os lírios eram tão surdos quanto os bêbados adormecidos e as rosas … Continue lendo Lisel Mueller – Quando me perguntam