Vinicius de Moraes – O poeta Hart Crane suicida-se no mar

Quando mergulhaste na água Não sentiste como é fria Como é fria assim na noite Como é fria, como é fria? E ao teu medo que por certo Te acordou da nostalgia (Essa incrível nostalgia Dos que vivem no deserto...) Que te disse a Poesia? Que te disse a Poesia Quando Vênus que luzia No … Continue lendo Vinicius de Moraes – O poeta Hart Crane suicida-se no mar

Carlos Rennó – O Momento

https://www.youtube.com/watch?v=cdKGnOLsGPY   Tem um momento (que de todos é diverso) Em que você se une ao todo, ao universo O tempo então congela (feito lá no pólo) Seu ego some, seu eu ergue-se do solo E sai voando entre as estrelas na amplidão Você se torna uma delas na explosão Dentro de si você vê … Continue lendo Carlos Rennó – O Momento

Bill Knott – Morte

Morte Perto de dormir, cruzo as mãos sobre o peito. Colocarão minhas mãos assim. Parecerá que estou a voar para dentro de mim mesmo. Death Going to sleep, I cross my hands on my chest. They will place my hands like this. It will look as though I am flying into myself. Trad.: Antonio Cicero … Continue lendo Bill Knott – Morte

Abel Silva – Navegações

Minha casa está calma, eu é que sou turbulento, o país navega, dizem, eu é que me arrebento eu é que sempre invento toda esta ventania eu é que não me contento com o rumo da romaria não sei se a sorte é cega ou eu que vivo a teimar: sei que eu sou o … Continue lendo Abel Silva – Navegações

Hilda Hilst – Roteiro do Silêncio

Não há silêncio bastantePara o meu silêncio.Nas prisões e nos conventosNas igrejas e na noiteNão há silêncio bastantePara o meu silêncio.Os amantes no quarto.Os ratos no muro.A meninaNos longos corredores do colégio.Todos os cães perdidosPelos quais tenho sofrido:O meu silêncio é maiorQue toda solidão.E que todo silêncio.