Kwame Opoku-Duku – Eles irão lhe perguntar onde dói mais

Bendita seja a amargura
em sua essência, aquela luz calma
que fica cada vez mais calma,
como o murmúrio abafado que escapa
de seus lábios enquanto você dorme.
Eles irão lhe perguntar, criança,
o que você sabe sobre o sofrimento.
Eles irão lhe perguntar onde dói
mais quando a dor se transforma,
como o comprimento de onda da luz
no céu noturno, quando os gritos
de seus ancestrais ressoam para você
do oceano, e quando suas palavras
vibram em seu diafragma
como um apático enxame sem rainha.
Você pode, criança, sentir-se
para sempre de uma certa maneira, mas
deve levantar-se todas as manhãs e ver
o sol nascer do oceano.
Lembre-se de amar a sua amada,
lembre-se da bondade e
e retidão do vermelho intenso
contra a sua pele, da cor do oceano
em suas unhas dos pés. Lembre-se dos ancestrais
que louvaram os deuses ao avistarem a terra.
Um dia, criança, você se juntará
a eles, em uma praia de Accra,
onde ofertará libações
por aqueles que ainda não chegaram.
Até lá, fique com seus braços
levantados para o céu. E embora
os cupins possam devora-lo por dentro,
ore para se transformar em uma árvore sábia e velha,
pela dignidade de venerar apenas
o sol e as chuvas. Ore para se tornar
um jardim, para saber distinguir o que nos nutre
daquilo que nos mantém vivos.

Trad.: Nelson Santander

They’ll Ask You Where It Hurts the Most

Blessed be the bitterness
at your core, that quiet light
growing quieter still,
like the dull moan that escapes
your lips while you dream.
They’ll ask you, child,
what you know of suffering.
They’ll ask you where it hurts
the most, when the pain changes
like wavelengths of light
in the evening sky, when the cries
of the ancestors ring out to you
from the ocean, when their words
vibrate in your diaphragm
like a listless, queenless hive.
You may forever, child,
feel a type of way, but you
must get up every morning and watch
the sun rise from the ocean.
Remember to love your lover,
remember the goodness
and righteousness of deep red
against her skin, the color of the ocean
on her toenails. Remember the ancestors
who praised the gods at the sight of land.
One day, child, you will join
them, on a beach in Accra,
where you will pour out libations
for those who have yet to come.
Until then, stand with your arms
stretched toward the sky. And though
termites may eat you from within,
pray to grow into a wise, old tree,
for the dignity to praise alone
the sun and rains. Pray to become
a garden, to distinguish what nourishes
us from what is keeping us alive.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s