Jorge Valdés Díaz-Vélez – A outra rosa

Ela beijou na rosa
(seu nome era um aguilhão
feminino e brutal)
a imagem de outra rosa

gravada em uma lousa
de mármore, cristalina.
A luz era mais fina
e, ao tato, tão airosa

quanto a flor que ardia
sem pausa em sua memória.
Em outro meio-dia,

a rosa era ilusória
promessa repartida;
e o beijo, a outra vida.

Trad.: Nelson Santander

La otra rosa

Ella besó en la rosa
(su nombre fue una espina
brutal y femenina)
la imagen de otra rosa

grabada en una losa
de mármol, cristalina.
La luz era más fina
y al tacto, tan hermosa

como la flor que ardía
sin pausa en su memoria.
En otro mediodía,

la rosa era ilusoria
promesa compartida;
y el beso, la otra vida.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s