Louise Glück – Encruzilhada

Corpo meu, agora que não viajaremos juntos por muito mais tempo,começo a sentir uma nova ternura por ti, muito crua e pouco familiar,como a lembrança que tenho do amor quando eu era jovem — amor que foi tantas vezes tolo em seus objetivosmas nunca em suas escolhas, suas intensidadesMuito exigido com antecedência para muito que … Continue lendo Louise Glück – Encruzilhada

David Mourão-Ferreira – Testamento

Que fique só da minha vida um monumento de palavras Mas não de prata Nem de cinza Antes de lava Antes de nada Daquele nada que se aviva quando se arrisca uma viagem por entre os pântanos da ira além do sol das barricadas Ou quando um poço que cintila parece o tecto de uma … Continue lendo David Mourão-Ferreira – Testamento

Giuseppe Ungaretti – Natal

Republicação: “Natal”, um poema de Giuseppe Ungaretti

singularidade - poesia e etc.

Natal

Não tenho vontade
de mergulhar-me
em um novelo
de estradas

Carrego tanto
cansaço
sobre os ombros

Deixai-me assim
como uma

coisa
colocada
em um

canto
e esquecida

Aqui
não se sente
outra presença
que o calor bom

Estou
com as quatro
cabriolas
de fumaça
da lareira.

Trad.: Luigi Lucchesi

Ver o post original

Philip Larkin – Canções de amor na velhice

Ela guardou canções, tomavam pouco espaçoE as capas lhe eram belas:Uma que apanhou sol e de matizes baços;Uma cheia de círculos de jarra d´água;Uma colada, num “acesso de ordem” dela,E colorida, pela filha – aguar-daram assim, até que em sua viuvez asAchou, procurando algo, e pôs-se dessa vez a Reaprender como cada acorde, obedienteE franco, … Continue lendo Philip Larkin – Canções de amor na velhice

Neil Gaiman – As coletoras de cogumelos

https://youtu.be/ak6sdSAcNkw The Mushroom Hunters, by Neil Gaiman Como você sabe, meu pequeno, a ciência é o estudoda natureza e do comportamento do universo.Ela se baseia na observação, na experimentação e na medição,e na formulação de leis para descrever os fatos revelados. Nos velhos tempos, dizem, os homens já vinham equipados com cérebrosprojetados para seguir cárneas-feras … Continue lendo Neil Gaiman – As coletoras de cogumelos

Joan Margarit – Nada engrandece um velho

Nem essa violência com a qual desejoter sempre razão.Nem tampouco crer que a felicidadetem uma relação, sutil, com a mentira.Nem chegar a tero coração tão sujo como o meu,apesar de ter sido a guerra que o sujou.Minha paz deve ser uma falsa paz.Tampouco não abjurar a luxúriae a vaidade.Como podemos ser vaidosos, os velhos? Essa … Continue lendo Joan Margarit – Nada engrandece um velho

Javier Salvago – Variações sobre um velho tema

Os violinos de Verlaine. Os sonhados caminhos da tarde, de don Antonio.* Um velho cheiro de campo. Um velho cheiro de lápis e cadernos. O céu cinzento. O vento entre as árvores. A carícia das primeiras chuvas. A tristeza sem causa. A solidão sonora. A noite, cada vez mais escura e prolongada. Um cigarro que, … Continue lendo Javier Salvago – Variações sobre um velho tema

Wendell Berry – Questionário

1. Quanto veneno você está dispostoa consumir para o sucesso do livremercado e do comércio internacional? Por favor,indique seus venenos preferidos. 2. Em nome do bem, quantomal você está disposto a praticar?Preencha os campos abaixocom os nomes de suas maldades eatos de ódio favoritos. 3. Que sacrifícios você está dispostoa fazer pela cultura e pela … Continue lendo Wendell Berry – Questionário

Audre Lorde – As abelhas

Na rua, em frente a uma escola,o que as crianças aprenderamas possui.Garotos gritam enquanto apedrejam um enxame de abelhasque tenta se reunirentre a janela do refeitório e uma grade de ferro.Os garotos arremessam pedras furiosasdespedaçando as janelas.As abelhas, zumbindo sua raiva,demoram a atacar.Então, um dos meninos é picadoem uma destruição mais rápidae os inspetores escolares … Continue lendo Audre Lorde – As abelhas