Raymond Carver – Medo

Medo de ver a polícia estacionar à minha porta.
Medo de dormir à noite.
Medo de não dormir.
Medo de que o passado desperte.
Medo de que o presente alce voo.
Medo do telefone que toca no silêncio da noite.
Medo de tempestades elétricas.
Medo da faxineira que tem uma pinta no queixo!
Medo de cães que supostamente não mordem.
Medo da ansiedade!
Medo de ter que identificar o corpo de um amigo morto.
Medo de ficar sem dinheiro.
Medo de ter demais, mesmo que ninguém vá acreditar nisso.
Medo de perfis psicológicos.
Medo de me atrasar e medo de ser o primeiro a chegar.
Medo de ver a letra dos meus filhos em envelopes.
Medo de que eles morram antes de mim, e que eu me sinta culpado.
Medo de ter que morar com a minha mãe em sua velhice, e na minha.
Medo da confusão.
Medo de que este dia termine com uma nota infeliz.
Medo de acordar e ver que você partiu.
Medo de não amar e medo de não amar o bastante.
Medo de que o que amo se prove letal para aqueles que amo.
Medo da morte.
Medo de viver demais.
Medo da morte.

Já disse isso.

Trad.: Rubens Figueiredo

REPUBLICAÇÃO: poema publicado no blog originalmente em 21/10/2017

Fear

Fear of seeing a police car pull into the drive.
Fear of falling asleep at night.
Fear of not falling asleep.
Fear of the past rising up.
Fear of the present taking flight.
Fear of the telephone that rings in the dead of night.
Fear of electrical storms.
Fear of the cleaning woman who has a spot on her cheek!
Fear of dogs I’ve been told won’t bite.
Fear of anxiety!
Fear of having to identify the body of a dead friend.
Fear of running out of money.
Fear of having too much, though people will not believe this.
Fear of psychological profiles.
Fear of being late and fear of arriving before anyone else.
Fear of my children’s handwriting on envelopes.
Fear they’ll die before I do, and I’ll feel guilty.
Fear of having to live with my mother in her old age, and mine.
Fear of confusion.
Fear this day will end on an unhappy note.
Fear of waking up to find you gone.
Fear of not loving and fear of not loving enough.
Fear that what I love will prove lethal to those I love.
Fear of death.
Fear of living too long.
Fear of death.

I’ve said that.

Javier Salvago – Canção para esse dia

Agora sim
já se vê
o porvir.
Agora sim
é o fim
que está aqui.

Que esta é
– agora sim –
a vetustez:
a aridez,
não esperar
nenhum trem.

Agora sim
o navio
vai partir.
Sem saber
se é o fim
ou o além.

Acabou,
não há mais
show.
Cai a cortina,
Diz adeus
o ator.

Agora sim
é o fim
que está aqui.
Agora sim
já se vê
o porvir.

Trad.: Nelson Santander

Canción para ese día

Ahora sí
que se ve
ya venir.
Ahora sí
que el final
está aquí.

Que esto es
– ahora sí –
la vejez:
la aridez,
no esperar
ningún tren.

Ahora sí
que está el barco
al partir.
Sin saber
si es el fin
o hay después.

Se acabó,
no da más
la función.
Cae el telón,
se despide
el actor.

Ahora sí
que el final
está aquí.
Ahora sí
que se ve
ya venir.

Carlos Rennó – HINO ao Inominável

Letra: Carlos Rennó; Música: Chico Brown e Pedro Luís

HINO ao Inominável

“Sou a favor da ditadura”, disse ele,
“Do pau de arara e da tortura”, concluiu.
“Mas o regime, mais do que ter torturado,
Tinha que ter matado trinta mil”.
E em contradita ao que afirmou, na caradura
Disse: “Não houve ditadura no país”.

E no real o incrível, o inacreditável
Entrou que nem um pesadelo, infeliz,
Ao som raivoso de uma voz inconfiável
Que diz e mente e se desmente e se desdiz.

Disse que num quilombo “os afrodescendentes
Pesavam sete arrobas” – e daí pra mais:
Que “não serviam nem pra procriar”,
Como se fôssemos, nós negros, animais.
E ainda insiste que não é racista
E que racismo não existe no país.

Como é possível, como é aceitável
Que tal se diga e fique impune quem o diz?
Tamanha injúria não inocentável,
Quem a julgou, que júri, que juiz?

Disse que agora “o índio está evoluindo,
Cada vez mais é um ser humano igual a nós.
Mas isolado é como um bicho no zoológico”,
E decretou e declarou de viva voz:
“Nem um centímetro a mais de terra indígena!,
Que nela jaz muita riqueza pro país”.

Se pronuncia assim o impronunciável
Tal qual o nome que tal “hino” nunca diz,
Do inumano ser, o ser inominável,
Do qual emanam mil pronunciamentos vis.

Disse que se tivesse um filho homossexual,
Preferiria que o progênito “morresse”.
Pruma mulher disse que não a estupraria,
Porque “você é feia, não merece”.
E ainda disse que a mulher, “porque engravida”,
“Deve ganhar menos que o homem” no país.

Por tal conduta e atitude deplorável,
Sempre o comparam com alguns quadrúpedes.
Uma maldade, uma injustiça inaceitável!
Tais animais são mais afáveis e gentis.

Mas quem dirá que não é mais imaginável
Erguer de novo das ruínas o país?

Chamou o tema ambiental de “importante
Só pra vegano que só come vegetal”;
Chamou de “mentirosos” dados científicos
Do aumento do desmatamento florestal.
Disse que “a Amazônia segue intocada,
Praticamente preservada no país”.

E assim negou e renegou o inegável,
As evidências que a Ciência vê e diz,
Da derrubada e da queimada comprovável
Pelas imagens de satélites.

E proclamou : “Policial tem que matar,
Tem que matar, senão não é policial.
Matar com dez ou trinta tiros o bandido,
Pois criminoso é um ser humano anormal.
Matar uns quinze ou vinte e ser condecorado,
Não processado” e condenado no país.

Por essa fala inflexível, inflamável,
Que só a morte, a violência e o mal bendiz,
Por tal discurso de ódio, odiável,
O que resolve são canhões, revólveres.

“A minha especialidade é matar,
Sou capitão do exército”, assim grunhiu.
E induziu o brasileiro a se armar,
Que “todo mundo, pô, tem que comprar fuzil”,
Pois “povo armado não será escravizado”,
Numa cruzada pela morte no país

E num desprezo pela vida inolvidável,
Que nem quando lotavam UTIs
E o número de mortos era inumerável,
Disse “E daí? Não sou coveiro”. “E daí?”

“Os livros são hoje ‘um montão de amontoado’
De muita coisa escrita”, veio a declarar.
Tentou dizer “conclamo” e disse “eu canclomo”;
Não sabe conjugar o verbo “concl…amar”.
Clamou que “no Brasil tem professor demais”,
Tal qual um imbecil pra imbecis.

Vigora agora o que não é ignorável:
Os ignorantes ora imperam no país
(O que era antes, ó pensantes, impensável)…
Quem é essa gente que não sabe o que diz?

Mas quem dirá que não é mais imaginável
Erguer de novo das ruínas o país?

Chamou de “herói” um coronel torturador
E um capitão miliciano e assassino.
Chamou de “escória” bolivianos, haitianos…
De “paraíba” e “pau de arara” o nordestino.
E diz que “ser patrão aqui é uma desgraça”,
E diz que “fome ninguém passa no país”.

Tal qual num filme de terror, inenarrável,
Em que a verdade não importa nem se diz,
Desenrolou-se, incontível, incontável,
Um rol idiota de chacotas e pitis.

Disse que mera “fantasia” era o vírus
E “histeria” a reação à pandemia;
Que brasileiro “pula e nada no esgoto,
Não pega nada”, então também não pegaria
O que chamou de “gripezinha” e receitou (sim!),
Sim, cloroquina, e não vacina, pro país.

E assim sem ter que pôr à prova o improvável,
Um ditador tampouco põe pingo nos is,
E nem responde, falador irresponsável,
Por todo ato ou toda fala pros Brasis.

E repetiu o mote “Deus, pátria e família”
Do integralismo e da Itália do fascismo,
Colando ao lema uma suspeita “liberdade”…
Tal qual tinha parodiado do nazismo
O slogan “Alemanha acima de tudo”,
Pondo ao invés “Brasil” no nome do país.

E qual num sonho horroroso, detestável,
A gente viu sem crer o que não quer nem quis:
Comemorarem o que não é memorável,
Como sinistras, tristes efemérides…

Já declarou: “Quem queira vir para o Brasil
Pra fazer sexo com mulher, fique à vontade.
Nós não podemos promover turismo gay,
Temos famílias”, disse com moralidade.
E já gritou um dia: “Toda minoria
Tem de curvar-se à maioria!” no país.

E assim o incrível, o inacreditável,
Se torna natural, quanto mais se rediz,
E a intolerância, essa sim intolerável,
Nessa figura dá chiliques mis.

Mas quem dirá que não é mais imaginável
Erguer de novo das ruínas o país?

Por vezes saem, caem, soam como fezes
Da sua boca cada som, cada sentença…
É um nonsense, é um caô, umas fake-news,
É um libelo leviano ou uma ofensa.
Porque mal pensa no que diz, porque mal pensa,
“Não falo mais com a imprensa”, um dia diz.

Mas de fanáticos a horda lamentável,
Que louva a volta à ditadura no país,
A turba cega-surda surta, insuportável,
E grita “mito!”, “eu autorizo!”, e pede “bis!”

E disse “merda, bosta, porra, putaria,
Filho da puta, puta que pariu, caguei!”
E a cada internação tratando do intestino
E a cada termo grosso e um “Talquei?”,
O cheiro podre da sua retórica
Escatológica se espalha no país.

“Sou imorrível, incomível e imbrochável”,
Já se gabou em sua tão caracterís-
Tica linguagem baixo nível, reprovável,
Esse boçal ignaro, rei de mimimis.

Mas nada disse de Moise Kabagambe,
O jovem congolês que foi aqui linchado.
Do caso Evaldo Rosa, preto, musicista,
Com a família no automóvel baleado,
Disse que a tropa “não matou ninguém”, somente
“Foi um incidente” oitenta tiros de fuzis…

“O exército é do povo e não foi responsável”,
Falou o homem da gravata de fuzis,
Que é bem provável ser-lhe a vida descartável,
Sendo de negro ou de imigrante no país.

Bradou que “o presidente já não cumprirá
Mais decisão” do magistrado do Supremo,
Ao qual se dirigiu xingando: “Seu canalha!”
Mas acuado recuou do tom extremo,
E em nota disse: “Nunca tive intenção
(Não!) De agredir quaisquer Poderes” do país.

Falhou o golpe mas safou-se o impeachável,
Machão cagão de atos pusilânimes,
O que talvez se ache algum herói da Marvel
Mas que tá mais pra algum bandido de gibis.

Mas quem dirá que não é mais imaginável
Erguer de novo das ruínas o país?

E sugeriu pra poluição ambiental:
“É só fazer cocô, dia sim, dia não”.
E pra quem sugeriu feijão e não fuzil:
“Querem comida? Então, dá tiro de feijão”.
É sem preparo, sem noção, sem compostura.
Sua postura com o posto não condiz.

No entanto “chega! […] vai agora [inominável]”,
Cravou o maior poeta vivo, no país,
E ecoou o coro “fora, [inominável]!”
E o panelaço das janelas nas metrópoles!

E numa live de golpista prometeu:
“Sem voto impresso não haverá eleição!”
E praguejou pra jornalistas: “Cala a boca!
Vocês são uma raça em extinção!”
E no seu tosco português ele não pára:
Dispara sempre um disparate o que maldiz.

Hoje um mal-dito dito dele é deletável
Pelo Insta, Face, YouTube e Twitter no país.
Mas para nós, mais do que um post, é enquadrável
O impostor que com o posto não condiz.

Disse que não aceitará o resultado
Se derrotado na eleição da nossa história,
E: “Eu tenho três alternativas pro futuro:
Ou estar preso, ou ser morto ou a vitória”,
Porque “somente Deus me tira da cadeira
De presidente” (Oh Deus proteja esse país!”).

Tivéssemos um parlamento confiável,
Sem x comparsas seus cupinchas, cúmplices,
E seu impeachment seria inescapável,
Com n inquéritos, pedidos, CPIs.

………………………………………………………………

Não há cortina de fumaça indevassÁvel
Que encubra o crime desses tempos inci-vis
E tampe o sol que vem com o dia inadiÁvel
E brilha agora qual farol na noite gris.
É a esperança que renasce onde HÁ véu,
De um horizonte menos cinza e mais feliz.
É a passagem muito além do instagramÁvel
Do pesadelo à utopia por um triz,
No instante crucial de liberdade instÁvel
Pros democráticos de fato, equânimes,
Com a missão difícil mas realizável
De erguer das cinzas como fênix o país.

E quem dirá que não é mais imaginável
Erguer de novo das ruínas o país?

Mas quem dirá que não é mais imaginável
Erguer de novo das ruínas o país?

Visite também o site do letrista. Só tem coisa boa lá: http://carlosrenno.com/

Margaret Atwood – Um barco

A noite chega e as colinas adensam-se;
desvanecimento rubro e amarelo das folhas.
Os gélidos pinheiros se alongam em suas sombras.

Abaixo deles, a água silencia,
um pôr do sol tremeluzindo nela.
Mais um que desce para se juntar aos outros.

Agora o lago se expande
e se fecha, simultaneamente.

A escuridão que se mantém
sob a superfície durante o dia
emerge dela como a névoa
ou como névoa.

A distância se esvai, a ausência
de distância faz pressão contra os olhos.

Não há como ver o lago,
apenas os contornos das colinas,
que são quase idênticas,

familiares para mim como o sono,
e as margens se desdobrando sobre margens
em seus contornos de lenta respiração.

É pelo tato que eu vou,
o barco como mão sondando
através de cardumes e entre
árvores mortas, elevando-se invisível
sobre os penedos, camada
por camada de tempo afogado desaparecendo.

Foi assim que aprendi a navegar
na escuridão sem estrelas.

Estar perdido é apenas uma falha de memória.

Trad.: Nelson Santander

A Boat

Evening comes on and the hills thicken;
red and yellow bleaching out of the leaves.
The chill pines grow their shadows.

Below them the water stills itself,
a sunset shivering in it.
One more going down to join the others.

Now the lake expands
and closes in, both.

The blackness that keeps itself
under the surface in daytime
emerges from it like mist
or as mist.

Distance vanishes, the absence
of distance pushes against the eyes.

There is no seeing the lake,
only the outlines of the hills
which are almost identical,

familiar to me as sleep,
shores unfolding upon shores
in their contours of slowed breathing.

It is touch I go by,
the boat like a hand feeling
through shoals and among
dead trees, over the boulders
lifting unseen, layer
on layer of drowned time falling away.

This is how I learned to steer
through darkness by no stars.

To be lost is only a failure of memory.

Rainer Maria Rilke – A nós nos cabe andar

I.22

A nós, nos cabe andar.
Mas o tempo, os seus passos,
são mínimos pedaços
do que há de ficar.

É perda pura
tudo o que é pressa;
só nos interessa
o que sempre dura.

Jovem, não há virtude
na velocidade
e no voo aonde for.

Tudo é quietude:
escuro e claridade,
livro e flor.

Trad.: Augusto de Campos

REPUBLICAÇÃO: poema publicado no blog originalmente em 12/10/2017

Matthew Sweeney – Crucificação

Eu cozinhava uma beterraba quando a campainha tocou.
‘Quem será a essa hora?’, murmurei, marchando
para a porta. Quando a abri, o sol brilhava
tanto que só vi silhuetas, mas discerni
que pairava sobre tudo uma grande cruz preta.
Havia dois homens, um com cara de bode,
o outro um sujeito enorme com um cigarro
na boca e suor no rosto de carregar a cruz.
O primeiro homem sorria, sacudindo seu saco de pregos
e acariciando o martelo em seu cinto. ‘Viemos
para efetuar a sua crucificação.’ Vendo minha reação,
ele sorriu, ‘Não se preocupe, está tudo pago.’
O outro homem havia posto a cruz no chão, e
analisava o gramado para encontrar o melhor local.
“Posso perguntar quem pagou por isso?’, gaguejei. ‘Certamente
houve um grande engano.’ Seguiu-se uma gargalhada.
‘Não houve engano, senhor. Foi precisamente o seu bom eu
quem ordenou o acontecimento. Veja aqui,’ disse ele,
empurrando um formulário de compra assinado na minha cara.
Meu nome estava correto, mas era uma falsificação. Eu apontei
isto, sem sucesso, então gritei que bastava.
‘Por favor, saia daqui imediatamente e peça ao
seu palhaço gigante para não esquecer a cruz.’ Fechei
a porta com força, empurrei uma poltrona contra ela,
e sentei-me, depois de pegar minha faca maior e mais afiada.
Estava com o celular preparado para chamar a polícia, mas
pensei ter ouvido os dois se arrastando corredor afora,
e uma olhada pelo olho mágico confirmou essa hipótese.
Voltei para a cozinha para verificar minha beterraba.
Havia quase secado e a água estava vermelha.

Trad.: Nelson Santander

Crucifixion

I was boiling a beetroot when the doorbell rang.
‘Who the hell is this?’, I muttered, marching
to the door. When I opened it the sun was so
bright I only saw silhouettes, but that was enough
for looming over everything was a big black cross.
There were two men, one with the face of a goat,
the other a huge fellow with a fag in his mouth
and sweat on his face from carrying the cross.
The first man grinned, shaking his bag of nails
and patting the hammer in his belt. ‘We’ve come
to carry out your crucifixion.’ Seeing my reaction
he laughed, ‘Don’t worry it’s all been paid for.’
The other man had set the cross down, and was
checking out the lawn for the best location.
“Can I ask who’s paid for it?’ I stuttered. ‘Surely
there’s been a huge mistake.’ A laugh ensued.
‘No mistake, sir. It was your good self exactly
who ordered the happening. See here,’ he said,
shoving a signed order form into my face. It was
my name all right, but it was a forgery. I pointed
this out, to no avail, so I shouted that was enough.
‘Kindly leave this premises immediately, and ask
your giant clown not to forget his cross.’ I slammed
the door, then wheeled an armchair up against it,
and sat in this, after getting my biggest sharp knife.
I had my mobile primed to call the police, but I
thought I heard the two lumbering down the path,
and a look through the spyhole confirmed this.
I went back to the kitchen to check my beetroot.
It had nearly boiled dry and the water was red.

Derek Walcott – O Amor Depois do Amor

Um dia virá
em que, eufórico,
você cumprimentará a si próprio chegando
à sua porta, em seu espelho
e cada um dará ao outro um sorriso de boas-vindas,

e você dirá, sente-se aqui. Coma.
Você amará outra vez o estranho que foi.
Sirva vinho. Reparta o pão. Restitua
o seu coração
para ele mesmo, para o estranho que um dia você amou

por toda sua vida, a quem você ignorou
por outro, que o conhece de cor.
Derrube da estante as cartas de amor,

as fotografias, os bilhetes desesperados,
arranque sua imagem do espelho.
Sente-se. Saboreie a sua vida.

Trad.: Nelson Santander

REPUBLICAÇÃO: poema publicado no blog originalmente em 13/10/2017

Derek Walcott – Love After Love

The time will come
when, with elation
you will greet yourself arriving
at your own door, in your own mirror
and each will smile at the other’s welcome,

and say, sit here. Eat.
You will love again the stranger who was your self.
Give wine. Give bread. Give back your heart
to itself, to the stranger who has loved you

all your life, whom you ignored
for another, who knows you by heart.
Take down the love letters from the bookshelf,

the photographs, the desperate notes,
peel your own image from the mirror.
Sit. Feast on your life.

Gillian Clarke – Advento

Tempos sombrios. Dezembro.
O eixo da terra inclinado
e os minutos caem do dia
um pouco de cada vez.

Assim, dormimos além da escuridão,
sonâmbulos das horas cinzentas.
Impossível crer na luz,
ou em um nascimento, até

esta alvorada invernal, a raposa
voltando para casa com sangue na boca,
todos os elementos químicos da aurora em seus olhos,
e o céu abismado.

Trad.: Nelson Santander

Advent

Dark times. December.
Earth’s axis on the slant
and the minutes fall from the day
a few at a time.

So we outsleep the dark,
sleepwalking the grey hours.
Impossible to believe in light,
or a birth, until

this winter sunrise, fox
going home with blood in its mouth,
all the dawn’s chemicals in its eye,
and the sky astonished.

Roger Wolfe – Pálpebra

Pedro Salinas
disse num poema1
que não quer deixar de sentir
a dor da ausência
da mulher que ama
porque isso é tudo
o que dela fica:
a dor.
Não me recordo das suas palavras exactas.
Ele di-lo melhor do que eu.
Eram outros tempos.
Salinas está morto.
A mulher que ele amava também.
Em breve o estaremos todos.
A vida é uma simples pálpebra.
Abre os olhos
e fecha-os.

Trad.: Pedro Gomes Sena

  1. O autor se refere ao poema “No quiero que te vayas”, traduzido por mim e já publicado no blog – a última vez no dia 10/09 (“Não quero que te vás”)

REPUBLICAÇÃO: Poema publicado no blog originalmente em 11/10/2017

Parpadeo

Pedro Salinas
dice en un poema
que no quiere dejar de sentir
el dolor de la ausencia
de la mujer a la que ama
porque eso es lo único
que le queda de ella:
el dolor.
No recuerdo sus palabras exactas.
Él lo dice mejor que yo.
Eran otros tiempos.
Salinas está muerto.
La mujer a la que amaba también.
Pronto lo estaremos todos.
La vida es un mero parpadeo.
Abre los ojos
y ciérralos.

Jack Gilbert – Fracasso e voo

Todo mundo esquece que Ícaro também voou.
É a mesma coisa quando o amor chega ao fim,
ou o casamento fracassa e as pessoas falam
que sabiam que aquilo era um erro, que todos
diziam que nunca daria certo. Que ela tinha
idade suficiente para sabê-lo. Mas qualquer coisa
que valha a pena fazer, vale a pena fazê-la seriamente.
Como estar ali, junto ao oceano de verão
do outro lado da ilha, enquanto
o amor dela se extinguia, as estrelas
ardendo tão extravagantemente naquelas noites que
qualquer um poderia afirmar que elas não durariam.
Todas as manhãs ela dormia em minha cama
como uma visita, sua gentileza como
um antílope imóvel na névoa matinal.
Todas as tardes eu a observava voltando
pelo terreno quente e pedregoso depois de nadar,
a luz do mar atrás dela e o céu imenso
do outro lado. Ouvia-a enquanto
almoçávamos. Como alguém pode dizer
que o casamento fracassou? Como aqueles que
voltaram da Provença (quando ainda era Provença)
e disseram que era bonita, mas que a comida era gordurosa.
Creio que Ícaro não estava fracassando quando caiu,
mas apenas chegando ao fim de seu triunfo.

Trad.: Nelson Santander

Failing and Flying

Everyone forgets that Icarus also flew.
It’s the same when love comes to an end,
or the marriage fails and people say
they knew it was a mistake, that everybody
said it would never work. That she was
old enough to know better. But anything
worth doing is worth doing badly.
Like being there by that summer ocean
on the other side of the island while
love was fading out of her, the stars
burning so extravagantly those nights that
anyone could tell you they would never last.
Every morning she was asleep in my bed
like a visitation, the gentleness in her
like antelope standing in the dawn mist.
Each afternoon I watched her coming back
through the hot stony field after swimming,
the sea light behind her and the huge sky
on the other side of that. Listened to her
while we ate lunch. How can they say
the marriage failed? Like the people who
came back from Provence (when it was Provence)
and said it was pretty but the food was greasy.
I believe Icarus was not failing as he fell,
but just coming to the end of his triumph.