Friedrich Hölderlin – A Brevidade

“Por que és tão breve? Não amas mais, como outrora,
O canto? Quando jovem, não chegavas,
Nos dias de esperança,
Nunca ao fim, quando cantavas!”

Tal qual minha sorte é meu canto. – Queres ao arrebol
Banhar-te alegremente? Foi-se! E a terra está fria
E o pássaro da noite esvoaça
incomodamente aos olhos teus.

Trad. Antonio Cícero

REPUBLICAÇÃO. Poema publicado originalmente no blog em 17/02/2016.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s