Joan Margarit – O dia depois da morte

Hoje te vi e levavas tuas muletas azuis,
feliz como sempre e protegida
por aquele jovem pai entre as tensas
cordas do enorme violoncelo da chuva.
Jamais tu e eu lembraremos
de termos sido pai e filha
neste mesmo pátio, onde o loureiro
molhado balança ao anoitecer.

Trad.: Nelson Santander

EL DÍA DESPUÉS DE LA MUERTE

Hoy te he visto y llevabas tus muletas azules,
contenta como siempre y protegida
por aquel joven padre entre las tensas
cuerdas del cello enorme de la lluvia.
Jamás ni tú ni yo recordaremos
haber sido un padre y una hija
en este mismo patio, donde el laurel mojado
se está meciendo al anochecer.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s