Algernon Charles Swinburne – Um Amigo Morto

I.
Não mais, ó puro e meigo coração,
Amigo de esperas fatais,
Aqueles dias prósperos, irmão,
Não mais?Dias brilhantes de cristais
Viram mais, além desse desvão,
O que ninguém verá jamais.
 
Alma’lva como a clara cerração,
Por que, então, cedo demais
Se foi para além de nós, para não,
Não mais?

II.
Irmão de longas horas fugidias,
Que dilacerante emoção
Emanará da boca que dizia
‘Irmão’?
 
Suspiro e canção que mesclam
Louvor com desolada agonia,
Embora ascenda a louvação?

Nada oculta o que de ti irradia:
Por que encerra a escuridão –
Ó dileto e morto – tão cedo o dia,
Irmão?

III.
Caro finado, cumpriste o dever
Ainda em vida, dando amparo
Aos corações que pudeste deter,
Caro

Tempo e acaso podem, claro,
Crestar a fé com dor, e o morrer,
Cindir mãos com seu dom avaro:

A memória, ora cega a planger
A dor, vê, com seu faro raro
Tudo o que de ti se fez para ser
Caro

IV.
Fiel e afável de alma invulgar,
Que deve a memória cruel
Fazer além de ver a fé chorar,
Fiel?

Poucos viram além do véu
Do teu ser, mas quem foi ao teu lar
Dedicou-te amor a granel!

Janus, que faz o novo definhar,
Transforme algo velho em novel;
Um amor honesto a se declarar
Fiel.

V.
Puro tal qual o céu, enquanto ao chão
Tu te mantiveste seguro,
Para os homens deste o teu coração
Puro

Já não te cega mais o escuro
Agora: as horas em mutação
Afagam teu sono futuro

O amor, sentindo ainda a morte tão
Perto, pode, com seu apuro,
Evocar teu doce ser, meu irmão
Puro

VI.
Como, ó amigo, deve ser a vida?
Esquecer o perpétuo sono?
A fé concede à dor do amor guarida,
Como?

É certo, tristes seres somos.
No entanto, mesmo que certa a lida,
Brilha tua testa tal um pomo.

Sim, embora tu estejas de partida,
O amor te encontrará de assomo,
Apesar de não sabermos ainda
Como.

VII.
Passou, como canção que desvanece,
E enquanto era vivo, brilhou;
Como o pio da ave de que se esquece
Passou!

O vento da morte soprou,
O senhor da canção o fornece,
Mas teu amor firme ficou.

O trono vazio de um rei que fenece:
Mas, para a dor que perdurou,
O amor fez canção do que não se esquece.
Passou.

Trad.: Nelson Santander

 

A Dead Friend

I.
Gone, O gentle heart and true,
Friend of hopes foregone,
Hopes and hopeful days with you
Gone?
 
Days of old that shone
Saw what none shall see anew,
When we gazed thereon.
 
Soul as clear as sunlit dew,
Why so soon pass on,
Forth from all we loved and knew
Gone?
 
II.
Friend of many a season fled,
What may sorrow send
Toward thee now from lips that said
‘Friend’?
 
Sighs and songs to blend
Praise with pain uncomforted
Though the praise ascend?
 
Darkness hides no dearer head;
Why should darkness end
Day so soon, O dear and dead
Friend?

III.
Dear in death, thou hast thy part
Yet in life, to cheer
Hearts that held thy gentle heart
Dear.

Time and chance may sear
Hope with grief, and death may part
Hand from hand’s clasp here:

Memory, blind with tears that start,
Sees through every tear
All that made thee, as thou art,
Dear.

IV.
True and tender, single-souled,
What should memory do
Weeping o’er the trust we hold
True?

Known and loved of few,
But of these, though small their fold,
Loved how well were you!

Change, that makes of new things old,
Leaves one old thing new;
Love which promised truth, and told
True.

V.
Kind as heaven, while earth’s control
Still had leave to bind
Thee, thy heart was toward man’s whole
Kind.

Thee no shadows blind
Now: the change of hours that roll
Leaves thy sleep behind.

Love, that hears thy death-bell toll
Yet, may call to mind
Scarce a soul as thy sweet soul
Kind.

VI.
How should life, O friend, forget
Death, whose guest art thou?
Faith responds to love’s regret,
How?

Still, for us that bow
Sorrowing, still, though life be set,
Shines thy bright mild brow.

Yea, though death and thou be met,
Love may find thee now
Still, albeit we know not yet
How.

VII.
Past as music fades, that shone
While its life might last;
As a song-bird’s shadow flown
Past!

Death’s reverberate blast
Now for music’s lord has blown
Whom thy love held fast.

Dead thy king, and void his throne:
Yet for grief at last
Love makes music of his own
Past.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s