Louise Glück – Ipomoea

Qual foi o meu crime na outra vida, assim como nesta vida meu crime é a dor, de modo que não me é permitido ascender novamente, nunca em nenhum sentido me é permitido repetir minha vida, ferida no espinheiro, toda beleza terrena um castigo tão meu quanto seu — Fonte do meu sofrimento, por que … Continue lendo Louise Glück – Ipomoea