Louise Glück – A porta de entrada

Eu queria ficar do mesmo jeito,imóvel como o mundo nunca é imóvel,não no solstício de verão mas no instante antesda flor fundamental se formar, no instanteem que nada é ainda passado —não no solstício de verão, intoxicante,mas na tardia primavera, a grama ainda nãoalta nos limites do jardim, as primeiras tulipascomeçando a se abrir —como … Continue lendo Louise Glück – A porta de entrada