Ellen Bass – Os anéis de Saturno

Ontem à noite vi pela primeira vez os
os anéis de Saturno, aquele brilhante cinturão
de cristais de gelo e poeira. Espelhos
pastoreando a luz, coletando-a
como pólen ou maná
ou baldes de água doce e cristalina
extraída das profundezas de um antigo poço.
O brilho jorrou através de minhas pupilas
neste corpo pequeno e transitório,
meu cérebro rugoso em seu crânio de casca de ovo,
meu sangue circulando, os seios que lembram
o ardor e a abundância do leite.
Saturno, seus anéis congelados de fogo branco,
refletindo o sol a bilhões de quilômetros.
Talvez haja uma palavra em outra língua
para quando a distância se dissolve no tempo.
Como mudamos quando estamos lá fora
sob as excessivas estrelas do verão,
nossos poros se abrindo à noite?
A terra vista de Saturno é um orbe azul claro,
menor que o coração de quem você ama.
Não dá para esquecer os polos da terra
virando lama,
não dá pare esquecer as tartarugas
queimando no Golfo.
O Burger King no final do quarteirão
está fritando hambúrgueres perfeitamente redondos,
as vacas na I-5 estão com excremento
até o tornozelo. A televisão
abre suas asas azuis na janela
da casa do outro lado da rua
onde o marido de alguém pressionou uma arma
contra o céu da boca.
Esta coreografia de ruína, o mundo estilhaçando-se
como vidro sob um microscópio,
o jeito como ele não se despedaça de uma vez
mas se espalha das cavidades danificadas.
Ainda assim, por um momento, tudo retrocede.
As batatas do quintal incham silenciosamente,
enterradas sob sua cobertura de folhas.
O vento esfrega as mãos por entre as árvores.

Trad.: Nelson Santander

BASS, Ellen. “Saturn’s Rings”. In:_____Like a Beggar. EUA: Copper Canyon Press, March 25, 2014.

Miniantologia Poética – 13

Saturn’s Rings

Last night I saw the rings of Saturn
for the first time, that brilliant band
of icy crystals and dust. Mirrors
shepherding the light, collecting it
like pollen or manna
or pails of sweet clear water drawn
from the depths of an ancient well.
The gleam poured through my pupils
into this small, temporary body,
my wrinkled brain in its eggshell skull,
my tunneling blood, breasts that remember
the sting and flush of milk.
Saturn, its frozen rings fire-white,
reflecting the sun from a billion miles.
Maybe there’s a word in another language
for when distance dissolves into time.
How are we changed when we stand out
under the fat stars of summer,
our pores opening in the night?
The earth from Saturn is a pale blue orb,
smaller than the heart of whomever you love.
You don’t forget the poles of the earth
turning to slush,
you don’t forget the turtles
burning in the gulf.
Burger King at the end of the block
is frying perfectly round patties,
the cows off I-5 stand ankle-deep
in excrement. The television
spreads its blue wings over the window
of the house across the street
where someone’s husband pressed a gun
against the ridged roof of his mouth.
This choreography of ruin, the world breaking
like glass under a microscope,
the way it doesn’t crack all at once
but spreads out from the damaged cavities.
Still, for a moment, it all recedes.
The backyard potatoes swell quietly,
buried beneath their canopy of leaves.
The wind rubs its hands through the trees.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s