Lucille Clifton – o poema do bebê perdido

na vez em que deixei cair seu quase corpo
para encontrar as águas sob a cidade
e nelas fluir com o esgoto para o mar
o que sabia eu sobre águas correndo de volta
o que sabia eu sobre afogamento
ou sobre ser afogada

você teria nascido no inverno
no ano do gás desligado
e sem carro teríamos feito a singular
caminhada pela genesee hill sob o vento do canadá
para vê-lo escorregar como gelo para as mãos de estranhos
você teria caído nu como a neve no inverno
se você estivesse aqui eu poderia contar-lhe sobre estas
e algumas outras coisas

se eu for menos que uma montanha
para seus irmãos e irmãs definitivos
que os rios transbordem sobre minha cabeça
que as águas me levem por uma vazante
dos mares que os homens pretos me chamem de estranha
sempre para a sua causa nunca nomeada

Trad.: Nelson Santander
the lost baby poem

the time i dropped your almost body down
down to meet the waters under the city
and run one with the sewage to the sea
what did i know about waters rushing back
what did i know about drowning
or being drowned

you would have been born into winter
in the year of the disconnected gas
and no car we would have made the thin
walk over genesee hill into the canada wind
to watch you slip like ice into strangers’ hands
you would have fallen naked as snow into winter
if you were here i could tell you these
and some other things

if i am ever less than a mountain
for your definite brothers and sisters
let the rivers pour over my head
let the sea take me for a spiller
of seas let black men call me stranger
always for your never named sake

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s