Billy Collins – Esquecimento

O nome do autor é o primeiro a desaparecer
seguido obedientemente pelo título, a trama,
a conclusão comovente, o romance todo
que subitamente se torna algo que você nunca leu,
do qual nunca ouviu falar,

como se, uma a uma, as memórias que você costumava abrigar
decidissem se retirar para o hemisfério sul do cérebro,
para uma pequena aldeia de pescadores onde não há telefones.

Há muito tempo você deu um beijo de despedida nas nove Musas
e viu a equação de segundo grau arrumar as malas,
e mesmo agora, enquanto memoriza a ordem dos planetas,

algo mais está se perdendo, talvez um emblema floral,
o endereço de um tio, a capital do Paraguai.

Independentemente do que você esteja se esforçando para se lembrar,
não está na ponta de sua língua,
nem se esconde em algum canto obscuro de seu baço.

Flutuou para longe, por um escuro rio mitológico
cujo nome começa com um L, tanto quanto você pode se lembrar,
claramente em seu próprio caminho para o esquecimento, em que você se juntará àqueles
que até mesmo se esqueceram como nadar e como andar de bicicleta.

Não admira que você se levante no meio da noite
para pesquisar a data de uma famosa batalha em um livro sobre a guerra.
Não admira que a lua lá fora pareça ter saído
de um poema de amor que você costumava conhecer de cor.

Trad.: Nelson Santander

Forgetfulness

The name of the author is the first to go
followed obediently by the title, the plot,
the heartbreaking conclusion, the entire novel
which suddenly becomes one you have never read,
never even heard of,

as if, one by one, the memories you used to harbor
decided to retire to the southern hemisphere of the brain,
to a little fishing village where there are no phones.

Long ago you kissed the names of the nine Muses goodbye
and watched the quadratic equation pack its bag,
and even now as you memorize the order of the planets,

something else is slipping away, a state flower perhaps,
the address of an uncle, the capital of Paraguay.

Whatever it is you are struggling to remember,
it is not poised on the tip of your tongue,
not even lurking in some obscure corner of your spleen.

It has floated away down a dark mythological river
whose name begins with an L as far as you can recall,
well on your own way to oblivion where you will join those
who have even forgotten how to swim and how to ride a bicycle.

No wonder you rise in the middle of the night
to look up the date of a famous battle in a book on war.
No wonder the moon in the window seems to have drifted
out of a love poem that you used to know by heart.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s