José Asunción Silva – Obra Humana

No interior da floresta intocada
em que, uma noite, no início de maio,
tocou a velha ramagem folhada
da pálida lua o primeiro raio,

poucos meses depois a luz de gás
da aurora na estação iluminou
o curso da locomotiva audaz
que por trilhos duríssimos cruzou.

E onde fora certa vez um abrigo,
porto seguro de um alado enxame,
atravessou o espaço um escondido
telegrama de amor num fio de arame.

Trad.: Nelson Santander

José Asunción Silva – Obra humana

En lo profundo de la selva añosa
donde una noche, al comenzar de mayo,
tocó en la vieja enredadera hojosa
de la pálida luna el primer rayo,

pocos meses después la luz de aurora
del gas en la estación iluminaba
el paso de la audaz locomotora
que en el carril durísimo cruzaba.

Y en donde fuera en otro tiempo el nido,
albergue muelle del alado enjambre,
pasó por el espacio un escondido
telegrama de amor, por el alambre.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s