John Mateer – s/ título

Este poema vai ser escrito com um livro de fotografias
em mente, comemorando esse retrato da jovem
estudante de história de arte que se tornaria a mulher
do fotógrafo, a mãe do seu filho, ela que se atiraria
de uma janela do apartamento deles, e que, por
ter existido, proliferaria,
como tudo o que pode ser pronunciado pelo Não-Dito.

Trad.: Inês Dias

in: https://www.facebook.com/oennui/photos/a.286037448227019/1060660157431407/?type=3&theater

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s