Jorge Luis Borges – Mortes de Buenos Aires

I La Chacarita Porque a entranha do cemitério do Sul foi saciada pela febre amarela até dizer basta; porque os tugúrios fundos do Sul lançaram morte sobre a face de Buenos Aires e porque Buenos Aires não pôde encarar essa morte, golpes de pá te abriram na ponta perdida do Oeste, atrás das tempestades de … Continue lendo Jorge Luis Borges – Mortes de Buenos Aires

Jorge Luis Borges – A noite que no sul o velaram

A noite que no sul o velaram                     para Letizia Álvarez de Toledo Pelo passamento de alguém — mistério cujo desconhecido nome possuo e cuja realidade não abarcamos — há até o alvorecer uma casa aberta no Sul, uma casa ignorada que não estou destinado a … Continue lendo Jorge Luis Borges – A noite que no sul o velaram

Jorge Luis Borges – James Joyce (em três traduções)

Primeira tradução: Carlos Nejar e Alfredo Jacques. Revisão de trad.: Maria Carolina de Araújo e Jorge Schwartz Em um dia do homem estão os dias do tempo, desde o inconcebível dia inicial do tempo, em que um terrível Deus prefixou os dias e agonias, até aquele outro em que o ubíquo rio do tempo terrenal … Continue lendo Jorge Luis Borges – James Joyce (em três traduções)

Jorge Luis Borges – Arte Poética

Fitar o rio feito de tempo e água e recordar que o tempo é outro rio, saber que nos perdemos como o rio E que os rostos passam como a água. Sentir que a vigília é outro sonho que sonha não sonhar e que a morte que teme nossa carne é essa morte de cada … Continue lendo Jorge Luis Borges – Arte Poética