Eugenio Montale – Xenia I

1 Querido pequeno inseto que chamavam de mosca, não sei por quê, esta tarde quase ao escurecer enquanto lia o Segundo Livro de Isaías reapareceste ao meu lado, mas não tinhas óculos, não podias me ver nem podia eu sem aquela centelha reconhecer-te no escuro. 2 Sem óculos nem antenas pobre inseto que asas só … Continue lendo Eugenio Montale – Xenia I

Eugenio Montale – A enguia

A enguia, a sereia dos mares frios que deixa o Báltico para alcançar os nossos mares, nossos estuários, os rios que sobe pelas profundezas, contra a enxurrada, de braço em braço e depois de veio em veio, cada vez mais delgados, sempre mais dentro, sempre mais perto do coração da rocha, filtrando-se por regos de … Continue lendo Eugenio Montale – A enguia

Giuseppe Ungaretti – Sentimento do tempo

Sentimento do tempo 1931 E à luz mais própria, Deixando apenas uma sombra violácea, Sobre os cimos mais baixos, A distância aberta ao alcance, Cada batida, como usa o coração, Agora escuto, Apressa-te, tempo, a por-me sobre os lábios Teu último beijo. Trad.: Geraldo Holanda Cavalcanti Giuseppe Ungaretti - Sentimento del tempo 1931 E per … Continue lendo Giuseppe Ungaretti – Sentimento do tempo

Giuseppe Ungaretti – Céu claro

  Bosque de Courton, julho de 1918 Depois de tanta névoa uma a uma se desvelam as estrelas Respiro o frescor que me deixa a cor do céu Me reconheço imagem passageira Presa de um ciclo imortal Trad.: Geraldo Holanda Cavalcanti Giuseppe Ungaretti - Sereno   Bosco di Courton luglio 1918 Dopo tanta nebbia a una a … Continue lendo Giuseppe Ungaretti – Céu claro

Giuseppe Ungaretti – Sou uma criatura

Valloncello di Cima Quattro, 5 de agosto de 1916 Como esta pedra de S. Michele tão fria tão dura tão seca tão indiferente tão completamente sem ânimo Como esta pedra é meu pranto que não se vê A morte se expia vivendo Trad.: Geraldo Holanda Cavalcanti Giuseppe Ungaretti - Sono una creatura Valloncello di Cima … Continue lendo Giuseppe Ungaretti – Sou uma criatura

Giuseppe Ungaretti – Silêncio

  Mariano, 27 de junho de 1916 Conheço uma cidade que cada dia se enche de sol e tudo é arrebatado nessa hora Dela parti uma tarde No coração perdurava o limar das cigarras Do navio laqueado de branco vi minha cidade sumir deixando por um instante no ar toldado um abraço de luzes suspensas Trad.: … Continue lendo Giuseppe Ungaretti – Silêncio

Giuseppe Ungaretti – In Memoriam

  Locvizza, 30 de setembro de 1916 Chamava-se Moammed Sceab Descendente de emires de nômades suicida porque não tinha mais Pátria Amou a França e mudou de nome Foi Marcel mas não era francês e já não sabia viver na tenda dos seus onde se escuta a cantilena do Alcorão saboreando um café E não sabia … Continue lendo Giuseppe Ungaretti – In Memoriam

Giuseppe Ungaretti – Vaidade

De repente se eleva sobre os escombros a límpida maravilha da imensidão. E o homem curvado sobre a água surpreendida pelo sol se descobre uma sombra Embalada pouco a pouco desfeita Trad : Geraldo Holanda Cavalcanti Vanità D’improvviso è alto sulle macerie il limpido stupore dell’immensità E l’uomo curvato sull’acqua sorpresa dal sole si rinviene … Continue lendo Giuseppe Ungaretti – Vaidade

Giuseppe Ungaretti – Peso

    Mariano, 29 de junho de 1916 Aquele camponês se fia na medalha de Santo Antonio e segue tranquilo Mas bem só e bem nua sem qualquer miragem carrego minha alma Trad.: Geraldo Holanda Cavalcanti