Gwendolyn Brooks – a mãe

Abortos não te deixam esquecer.
Você se lembra das crianças que gerou mas não teve,
Da polpinha molhada com pouco ou nenhum cabelo,
Cantores e trabalhadores que nunca viram a luz do dia.
Você nunca irá negligenciá-los ou bater
Neles, ou mandar eles se calarem ou lhes comprar um confeito.
Você nunca vai arrancar da boca o dedo que chupam
Ou espantar os fantasmas que aparecem.
Você nunca vai abandoná-los, controlando seu suspiro luxurioso,
Nem vai voltar para comê-los, com devoradores olhos de mãe.

Eu ouvi nas vozes do vento as vozes das minhas indefinidas crianças mortas.
Eu me contraí. Eu acalmei
Meus entes indefinidos, nos peitos em que eles nunca mamaram.
Eu disse, Queridos, se eu pequei, se eu tivesse decidido
Sua sorte
E suas vidas de ter um alcance incompleto
Se eu lhes roubei seus nascimentos e seus nomes,
Suas lágrimas de bebê e suas brincadeiras,
Seus amores estranhos ou fofos, seus tumultos, seus casamentos, suas dores, e mortes
Se eu envenenei o começo dos seus fôlegos,
Acreditem em mim que mesmo na minha assertividade eu não fui assertiva.
Mas mesmo assim porque deveria eu choramingar,
Choramingar que o crime não foi meu? —
Porque de todo jeito vocês estão mortos.
Ou melhor, pelo contrário,
Vocês nunca foram feitos.
Mas isso também, suponho,
É uma culpa: ai, o que é pra eu dizer, como dizer a verdade?
Vocês nasceram, tiveram corpo, morreram.
A diferença é que vocês nunca riram ou fizeram planos ou choraram.

Acreditem, eu amei todos vocês.
Acreditem, eu conhecia todos vocês, ainda que pouco, e amei, amei vocês
Todos.

Trad.: Adelaide Ivánova

Nota: eu mesmo pretendia traduzir este poema. Até que me deparei com esta insuperável tradução feita pela fotógrafa, escritora, tradutora e poeta pernambucana Adelaide Ivánova, publicada na versão para a internet do Jornal Literário da Companhia Editora de Pernambuco (aqui: Um poema de Gwendolyn Brooks e o debate humanizado sobre o aborto). Como nos EUA este poema às vezes é invocado por membros de movimentos Pró-vida como uma espécie de manifesto anti-aborto (por exemplo: Christianity Today e Why I am a black Pro-Life Pastor), é importante ler também o comentário sobre o poema que Ivánova faz ao final de sua tradução:

“Gwendolyn Brooks (1917–2000) foi uma poeta e professora estadunidense, a primeira afro-americana a receber o Prêmio Pulitzer de Poesia, que venceu em 1950, com o livro Annie Allen. No delicado poema que você lê nesta página, Brooks humaniza o debate sobre aborto sem condená-lo moralmente, e nos lembra de um aspecto fundamental: abortos são feitos por vontade ou necessidade, e ambas são legítimas, mas nunca é uma decisão que se toma levianamente. Num ano como 2020, em que crianças de dez anos foram expostas e coagidas por servidores públicos cuja função é de protegê-la, não de humilhá-la; num ano em que milhões de pessoas de todos os gêneros saíram às ruas na Polônia e da Argentina para lutar pelo direito ao aborto legal, é da maior importância um poema que nos lembre que mulheres são muito mais que corpos — são seres humanos com subjetividades complexas e, sobretudo, seres humanos com direito ao exercício pleno de sua autonomia.”

the mother

Abortions will not let you forget.
You remember the children you got that you did not get,
The damp small pulps with a little or with no hair,
The singers and workers that never handled the air.
You will never neglect or beat
Them, or silence or buy with a sweet.
You will never wind up the sucking-thumb
Or scuttle off ghosts that come.
You will never leave them, controlling your luscious sigh,
Return for a snack of them, with gobbling mother-eye.

I have heard in the voices of the wind the voices of my dim killed children.
I have contracted. I have eased
My dim dears at the breasts they could never suck.
I have said, Sweets, if I sinned, if I seized
Your luck
And your lives from your unfinished reach,
If I stole your births and your names,
Your straight baby tears and your games,
Your stilted or lovely loves, your tumults, your marriages, aches, and your deaths,
If I poisoned the beginnings of your breaths,
Believe that even in my deliberateness I was not deliberate.
Though why should I whine,
Whine that the crime was other than mine?—
Since anyhow you are dead.
Or rather, or instead,
You were never made.
But that too, I am afraid,
Is faulty: oh, what shall I say, how is the truth to be said?
You were born, you had body, you died.
It is just that you never giggled or planned or cried.

Believe me, I loved you all.
Believe me, I knew you, though faintly, and I loved, I loved you
All.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s