Kelli Russell Agodon – Capelas imaginárias

Sento-me no chão de um museu com um homem
que não conheço. Estamos contemplando um quadro
de 1508. Maria parece triste mas não está chorando.
Outro homem se senta à minha esquerda e encosta sua cabeça
contra a parede. Atrás de mim, uma mulher está
chorando. Eu me levanto e caminho em direção a um estranho
que está dizendo, Está tudo bem, querida, você está indo bem.
Há dias em que o mundo segura o
seu casaco e penteia o seu cabelo,
há outros em que o que sangra
mancha seu sofá, sua calça branca. Eu só quero
andar por um mundo em que as pessoas
queiram sentar-se em silêncio com um quadro,
em que, depois de ter visto tudo o que podemos
ver, possamos encontra um pub e pedir um Virgin
on the Rocks
. E no qual quando eu me divirto porque
Leonardo talvez nunca entendesse como
ele pode ter criado algo que se transforma
no pedido de um drink, por apenas alguns momentos
eu me sinta um pouco mais conectada a um país
que não é o meu lar. E talvez se sussurrar
para aqueles ao meu lado, eu diga: isto não é uma prece,
isto não é de deus
, o que estou realmente dizendo é:
olhe ao redor como a luz captura
a mulher tentando filmar a beleza,
como somos ambas esplendor e prece,
somos todos pequenos deuses fazendo o melhor que podemos.

Trad.: Nelson Santander

Imagined Chapels

I sit on the floor of a museum with a man
I do not know. We are gazing at a painting
from 1508. Mary is blue but not crying.
Another man sits to my left, leans his head
against the wall. There is a woman behind me
crying. I stand up and walk into a stranger,
he says, It’s okay, darling, you’re doing fine.
There are days when the world holds
your coat and combs your hair,
there are days when what bleeds
stains your sofa, your white pants. I just want
to walk through the world where others
want to sit in silence with a painting,
when after we’ve seen everything we can
possibly see, you find a pub and order a Virgin
on the Rocks. And when I laugh because
Leonardo might never understand how
he could create something that would turn
into a drink order, for just a few moments
I feel a little bit more connected in a country
that’s not my home. And maybe if I whisper
to those around me, say: this is not a prayer,
this is not god, what I’m really saying is
look around at how the light catches
the woman trying to film to beauty,
how we are both splendor and prayer,
we are all small gods doing the best we can.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s