Andreia C. Faria – “Espero o dia em que possa…”

Espero o dia em que possa
deixar crescer as unhas
as meias por cerzir
a boca
sem propósito de beijar.

O dia que misture à noite
uma respiração de espelhos,
um registro acidental, mortificado,
ou o livro que se leu na tarde até perder a luz.

Que a natureza avance em mim sem esperança de ressurgimento.
Afagarei um cão
sem medo de guardar mãos ásperas.

E em ti não pensarei. Entre nós uma opressão de mundos,
distâncias sem cura
(do autocarro para os subúrbios, do crente
relativamente a deus),
uma disciplina oposta ao prazer.

Espero o dia em que console e gaste o corpo
um rio sujo à minha porta,
a corrente escura dos teus ombros,
uma paisagem sem apelo
abrindo as mãos dentro de mim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s