Joan Margarit – Ser velho

Entre as sombras dos galos
e dos cachorros dos pátios e currais
de Sanaüja, abre-se um buraco
que se enche de tempo perdido e chuva suja
enquanto as crianças caminham para a morte.
Ser velho é uma espécie de pós-guerra.
Sentados à mesa da cozinha,
limpando as lentilhas
ao anoitecer do braseiro,
vejo os que me amaram.
Tão pobres que no fim daquela guerra
tiveram que vender o miserável
vinhedo e aquele frio casarão.
Ser velho significa que a guerra acabou.
É saber onde estão os abrigos, hoje inúteis.

Trad.: Nelson Santander

Ser viejo

Entre las sombras de los gallos
y los perros de patios y corrales
de Sanaüja, se abre un agujero
que se llena con tiempo perdido y lluvia sucia
cuando los niños van hacia la muerte.
Ser viejo es una especie de posguerra.
Sentados a la mesa en la cocina,
limpiando las lentejas
en los anocheceres de brasero,
veo a los que me amaron.
Tan pobres que al final de aquella guerra
tuvieron que vender el miserable
viñedo y aquel frío caserón.
Ser viejo es que la guerra ha terminado.
Es saber dónde están los refugios, hoy inútiles.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s