Seán Hewitt – Fantasma

i.

Despertando, quase de manhã, mas ainda
de um escuro metálico, fechado, no quarto:
um som dentro do meu sonho, apenas um lamento
no início, que depois se torna humano, um uivo
que se eleva na rua do lado de fora, fica sem resposta
e então se eleva novamente. De cueca, tremendo
junto à janela de uma só vidraça, mas não vendo ninguém
entre as sombras escuras dos carros estacionados
ou dos arbustos, eu saio seminu: mãos tremendo,
a porta da frente destrancada e depois aberta,
e junto à pilastra do alpendre, sob um cone
de luz laranja, um rapaz caído,
bêbado, soluçando como se sua vida inteira
estivesse se desatando em som.

 
ii.

E agora, eu me lembro de uma tarde,
voltando da escola, meu pai escavando
a raiz de uma conífera no jardim – eu o vi
olhar para cima, subitamente alerta, sair pelo portão do fundo
em direção ao beco atrás dos terraços, e voltar
em pânico com um menino nos braços. Eu o reconheci,
mais ou menos da minha idade, da escola, por seus dreadlocks,
suas mechas turquesas; mas agora pendendo
sob o próprio peso, seus pulsos escorrendo
sobre o jeans enlameado do meu pai e o azulejo do pátio.
Eu conhecia, mesmo então, os rumores sobre ele;
fiquei pensando, enquanto enrolávamos e atávamos lençóis rasgados
em torno de suas veias abertas, em como poderíamos compartilhar,
uma vez que a verdade fosse revelada, um vínculo, um sangue eletivo.

 
iii.

Noites mais tarde, dormi apenas pela metade, esperando
a qualquer momento ouvir de novo alguém do lado de fora,
como se o tempo pudesse ser apanhado em uma espiral,
o mesmo menino percorrendo a rota mapeada
pelas ruas escuras na mesma hora
até a minha porta. De novo, abri a janela,
e fiquei esperando para vê-lo chegar, descalço, talvez,
pelo caminho. Todas as noites, e nenhum sinal, até eu pensar
que talvez fosse só eu, ou um sonho meu,
pedindo, noite após noite, para ser recebido na soleira
e autorizado a retornar para o quarto frio de minha vida.
Mas então, para cada um de nós, uma ferida deve ser dada
ou produzida – há sempre a alma esperando
na porta do corpo, pedindo para ser solta.

Trad.: Nelson Santander

Ghost

i.

Waking, close to morning but still
a shuttered, metal dark in the room:
a sound inside my dream, only a whimper
at first, then becoming human, a howl
raised in the street outside, left unanswered
then raised again. In my boxers, shivering
by the single-paned window, but seeing no one
among the black shapes of the parked cars
or hedges, I went out half-dressed: hands shaking,
front door unlocked then pushed open,
and by the column of the porch, under a cone
of orange light, a young man slumped,
drunk, sobbing like his whole life
was unfurling into sound.

 
ii.

And now, I am reminded of one afternoon,
home from school, my father digging out
the root of a conifer in the garden – I saw him
look up, suddenly alert, leave by the back gate
into the alley behind the terraces, and return
panicked with a boy in his arms. I recognised him,
about my age, from school, by his dreadlocks,
his turquoise streak of hair; but now lolling
under his own weight, his wrists draining
over my father’s mudded jeans and the patio tiles.
I knew, even then, the rumours about him;
thought as we wrapped and pinned torn sheets
around his opened veins, how we might share,
once the truth was out, a bond, an elective blood.

 
iii.

Nights later, I only half-slept, expecting
at any moment to hear someone again outside,
as though time might be caught in a loop,
the same boy walking the mapped route
along the dark streets at the same hour
to my door. Again, I unshuttered the window,
stood waiting to see him come, barefoot, maybe,
down the path. Each night, no sign, until I thought,
perhaps, it was only me, or a dream of myself,
asking nightly to be greeted at the threshold,
allowed back into the cold room of my life.
But then, in each of us, a wound must be made
or given – there is always the soul waiting
at the door of the body, asking to be let out.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s