Miguel Martins – [Do lado de fora, tudo parece pouco]

Do lado de fora, tudo parece pouco.
Borborinho. Intemperança. Sono.
O rosto não faz prova da memória
mas a memória testemunha a evolução do rosto,
os pares de óculos que por ali passaram,
a fome e o consolo,
o medo,
a morte de cada beijo,
o milagre do seu renascimento
e, por fim, o extremo cansaço,
a gloriosa vitória da derrota.
Por dentro, o tempo acumula-se,
chuva numa piscina abandonada
às sombras de um Inverno
que só se interrompe ante a imensa ternura dos teus olhos
nos dias em que o fogo me consome.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s