Andreia C. Faria – San Cibrán de Las

Ainda aos sábados os homens passeiam
pelo que resta das muralhas
e as mulheres procuram vestígios –
os pulsos nus, a canteira e a nascente de água,
a paciência necessária a quem se alimentava desse pão

É também este o meu plano para a velhice:
ervas de que não sei o nome, a ruína interior
de uma casa, animais que serão meus iguais

Em noite de São João vêem-se as estrelas cadentes
se a luz das estradas não contaminam o céu
No chão deste recinto estão as brasas
apagadas dos cigarros, excrementos e latas de cerveja
são as nossas constelações

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s