T. S. Eliot – Morte Pela Água

Flibas, o Fenício, há quinze dias morto,
Deixou o grito das gaivotas, e a funda onda do mar
        E o lucro e a perda.
Uma corrente submarina
Roeu seus ossos em sussurros. Como subiu caiu
Varando o palco da velhice e juventude
Rompendo os vagalhões.
             Gentio ou Judeu
Ó tu que giras o leme e miras o vento na vela,
Considera Flibas, que um dia foi belo e alto como tu.

Trad.: José Francisco C. Costa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s