Carlos Nejar – José Mora

Eu retornei. A morte imensa,
tão imensa que não tocava
mais os seus limites,
os feudos. E eu, aos poucos,
fui vencendo, fui
desembaraçando seus cordames,
o mortal peso, a superfície
desamparada e vasta como se
num escafandro viesse lentamente
ao som das águas e fosse
uma cítara tangida entre
duas espigas de penumbra
e um rosal de clara água.
Fosse, fosse a mão
escapando da manga,
o braço do casaco
e os gestos no suave
bandolim da alma,
cavoucando a terra água,
a fera terra água
e agarrasse as aspas
e este touro na braçada
rolasse e sacudia fora
esta parte da morte.
E é como face a face
dei com a aurora.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s